Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A segunda-feira, 15 de novembro, será o dia do 132° aniversário da Proclamação da República, nosso sofrido sistema de governo, tradicionalmente penalizado pela irracional ganância pelo poder contida nos seus operadores. Os políticos e assemelhados que ocupam altos postos e têm o dever de zelar pela estabilidade e promover o bem-estar coletivo, priorizam o interesse próprio e, com isso, fragilizam a instituição. Foram poucos os anos republicanos em que vivemos a verdadeira democracia mas, para desapontamento geral, nem sempre esses períodos foram os melhores para a vida do povo que, há mais de um século, é bombardeado pela bestial e utópica disputa entre direita e esquerda.

Num regime democrático, como é rotulado o brasileiro (até nos seus períodos mais autoritários), todo individuo é livre para exercer sua opção político-ideologica, desde que não descumpra as leis vogrmtes. Mas nossa história registra partidos banidos, perseguição ideológica que em mais de uma época produziu ditadura, luta armada, presos políticos, exilados e outros males. A esquerda demorou décadas para chegar ao poder e, quando chegou, não resistiu às velhas tentações - de implantar a ditadura do proletariado e montar na America Latina uma federação nos moldes da soviética, que caiu de podre em 1991 - e, restou destituída pelo impeachment de Dilma Rousseff, na esteira do Mensalão, Petrolão, Eletrolão e outros escândalos de corrupção que se  constituiram nos maiores da história nacional.

A República brasileira, proclamada com o objetivo de nos livrar do absolutismo e vícios monárquicos, é instável desde o seu começo. O marechal Deodoro da Fonseca, seu proclamador e primeiro presidente, foi forçado a renunciar dois anos depois da proclamação, em novembro de 1891, quando tentou fechar o Congresso e se indispôs com a Marinha, que ameaçou bombardear o Rio de Janeiro, então capital federal. O vice, marechal Floriano Peixoto, assumiu e fez um governo também autoritário, seguido por outros que, aos trancos, estiveram sob o domínio das oligarquias paulistas e mineiras dos produtores de café e de leite. Em 1930 houve a revolução que levou Getúlio Vargas a 15 anos no poder, dos quais 8 em ditadura declarada.

Deposto em 1945, Vargas voltou à presidência vencendo as eleições de 1950. Enfrentou voraz oposição e cometeu o suicídio em 24 de agosto de 1954, quando era ameaçado de nova deposição. No ano seguinte, Juscelino Kubistchek venceu a eleição e sofreu tentativa de golpe que pretendia impedir sua posse, sufocada pelo então ministro da guerra. Em 1961, Jânio Quadros renunciou após sete meses de governo, assumindo o vice João Goulart que, acusado de esquerdizar o país, foi deposto em 31 de março de 1964, quando os militares assumiram sob  o argumento de preservar a democracia, e ali permaneceram por 21 anos.

Quando os militares devolveram o poder aos civis, ocorreu a morte do eleito Tancredo Neves (e a posse do vice José Sarney). A eleição de Fernando Collor (que sofreu impeachment e foi substituído pelo vice Itamar Franco). Em 1994, elegeu-se Fernando Henrique Cardoso, que durante o regime militar viveu exilado e, como presidente, criou a reeleição para cargos executivos, governando por oito anos seguidos. Foi sucedido pelo petista Lula que teve como sucessora Dilma Rousseff, também do PT,  afastada pelo impeachment de 2016 e substituída pelo vice Michel Temer. Finalmente, veio o presidente Jair Bolsonaro.que, seguindo o hábito político nacional, é alvo de desmedida oposição. Tomou posse sob o eco da pregação dos que lutam pela ruptura institucional e passou a ser acusado pelos opositores de golpismo e outras coisas.

A luta ideológica nada mais representa. Os políticos brasileiros nela insistem apenas para criar situações em que possam morder maiores pedaços do dinheiro público. Isso precisa acabar. A grande tarefa do político, independente do partido e da ideologia, é atuar pela melhora do país, diminuição das desigualdades entre os cidadãos e pela soberania nacional. Esqueçam, senhoras e senhores, dos interesses próprios ou de grupos e compreendam que ao assumirem seus mandatos, assinaram um contrato de trabalho pelo país. Cumpram para, com isso, evitar que nas próximas eleições, sejam mandados embora pelo povo-patrão. Que a classe se conscientize e a República, finalmente, encontre o caminho da estabilidade e do desenvolvimento econômico e social.,,

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.