Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A devastação imposta pelo vírus trouxe de volta cogitações filosóficas, teológicas e científicas. Entra em pauta a existência de Deus, muito embora não se creia em evento como passagens bíblicas de punições divinas. De qualquer modo, cabe a cogitação de uma força superior determinante e ainda não descrita pelo estágio atual da física e das cogitações da filosofia.

Não se trata de propor um Deus enquanto figura ontológica, segundo a imaginação do monge beneditino Anselmo de Cantuária, do século XI.  Lançou-se apenas a suposição de que, por essência e natureza, sua existência não poderia ser contestada. Mais o argumento da autoridade, do que a autoridade do argumento.

Do mesmo modo que o argumento ontológico, a tese de São Tomás de Aquino recebeu oposição, sob o argumento da possibilidade de uma cadeia causal que remonte ao infinito. De todo modo, impressiona a razão da causa primeira, sob o ponto de vista do encadeamento.

Ainda mais maravilhados ficaram os crentes da divindade ante os fundamentos cosmológicos.  A existência de Deus deriva da sensação de que o universo manifesta certa ordem, inexplicável sem a pressuposição de um magnífico relojoeiro. Não existiria nosso mundo sem essa ordem rigorosa, desígnio ou proposta. As raízes buscam água, as folhas se abrem com a luz; "O belo sistema que abrange o Sol, os planetas e os cometas só pode existir por desígnio de um Ser inteligente e poderoso" (Isaac Newton). A emergência da vida humana somente se deu graças à "perfeita sintonia" entre as leis que governam o universo. Se fosse mais forte a força da gravidade, as estrelas teriam exaurido seu estoque de hidrogênio e provavelmente a vida humana não teria tempo de evoluir. De outro lado, se a força que agrega os átomos fosse minimamente maior, a água necessária à vida poderia não ter-se formado. Enfim, como disse Jung, nossa existência é um milagre.

Em contraposição, o evolucionismo no contexto da antropologia biológica expõe o caminhar desde os primatas até a humanidade de nosso século e dos vindouros, em suas diversas etapas e espécimes raciais, forte na seleção natural de Darwin e doutrinas correlacionadas que animaram a ciência moderna. Suas águas, contudo, são também represadas, por exemplo, no dique de que não há nenhuma homogeneidade entre as criaturas, o que seria esperável por coincidências biológicas num plano macro e quiçá infinito na evolução segundo idênticos procedimentos metodológicos; não há seres humanos absolutamente iguais, ainda que se considerando os gêmeos univitelinos. Destarte a evolução não explica o nascimento, o crescimento e a existência de toda a humanidade; e sobretudo no plano espiritual, que também torna magnífico nosso universo e impõe o respeito às ideias plúrimas e às liberdades pessoais e públicas. A ideia de um grande articulador, nesse plano, é irremissível.

Sabe-se que a filosofia encontrou respiradouro no pragmatismo, segundo o qual é verdadeiro o fato que nos conduz à utilidade e ao bem estar entre todos os componentes da sociedade animal. O cardeal Newman (1801-90) fundamentou a existência de um ser superior na imperiosidade da moralidade humana; suas virtudes são suficientes para nos fazer crentes e abolir a mínima manifestação de ódio entre os viventes.  Não há dúvidas quanto ao bem ínsito ao pragmatismo religioso, ao sacrifício da verdade a uma fé benemérita.

O ataque indistinto a todos os seres da Terra por um organismo invisível e que para muitos é o nada (dando-se de barato que o nada possa ser) voltou a despertar no homem sua amizade à sabedoria. Até porque talvez não tenhamos respostas a essas questões magnas, que, todavia, virão no futuro. O estádio da ciência e da filosofia em que nos encontramos é que se revela insuficiente às respostas cuja insuficiência nos incomoda reiteradamente. Daí o sentido da dialética ou da contradição tão bem enunciado por Hegel, não obstante sua derivação para o idealismo: a dupla face de todos os fatos, a tese e a antítese, fenômeno que nos levará à clareza das tão valiosas sínteses.

Amadeu Garrido de Paula, é poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros: "Universo Invisível" e "Poesia & Prosa sob a Tempestade" e do blog: Ambos à venda na Livraria Cultura e também um dos ganhadores do "Concurso Nacional de Novos Poetas de 2020" e do "Concurso Sarau Brasil 2020", ambos da editora Vivara - bruna@deleon.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.