Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Todo o tiroteio político, jurídico, social, econômico e até institucional que se tem travado ao redor da Covid 19, é de uma irracionalidade monumental e constitui falta de comprometimento de seus praticantes com a causa pública. Homens e mulheres que se candidataram e foram eleitos ou admitidos por concurso público ou nomeação ad-nutum, comportam-se sofrivelmente e atrapalham a tarefa de combate epidêmico, que deveriam executar juntos. A divulgação superdimensionada do número de vítimas e as comparações do Brasil com países infectados de características e populações diversas da nossa, é a prática da mentira. Talvez atenda aos interesses dos administradores públicos que em vez de investir em ações para cercar a doença, preferiram comprar milhares de caixões mortuários, câmaras frias de necrotério e abrir covas nos cemitérios. Também pode servir aos que ousaram superfaturar compras emergenciais para roubar o dinheiro destinado a socorrer a população vitimada pelo vírus.

Bem fizeram os veículos de comunicação ao montar estrutura própria para contabilizar os mortos e adoecidos. Com isso, retornam ao passado de duas ou três décadas, quando mantinham equipes próprias espalhadas pelo país (e até no exterior) com a tarefa de levantar informações importantes e as consolidavam muitas vezes antes do governo. Oxalá, terminado esse período de aflição, mantenham a estrutura para novamente buscar a notícia na fonte. Seus leitores/telespectadores/ouvintes, dessa forma, serão melhor servidos.

Quanto ao governo mudar a metodologia de divulgação dos dados, não deveria provocar celeuma. O ministro interino da Saúde disse que, em vez de veicular só os casos confirmados cujas vítimas morreram vários dias antes e até no mês passado, informará também a data dos óbitos. Isto é, evitará que a soma das vitimas de diferentes dias leve os incautos (ou maliciosos) a dizer ou sugerir que morreram todos no dia anterior ao da divulgação. A transparência é de fundamental importância e a divulgação da data das mortes dará condições ao próprio povo para, mediante simples operações aritméticas, verificar se a infestação está aumentando, estabilizada ou diminuindo.

O conhecimento da realidade - não de versões que possam ser interesseiras - é instrumento importante para as autoridades adotarem procedimentos de defesa e até para o cidadão tomar suas atitudes de defesa tanto no terreno da própria saúde quanto na produção, trabalho e economia.

A verdade é libertadora. Da forma que a questão se encaminha, o governo continuará apurando e divulgando os seus números e os veículos de comunicação, com sua apuração independente, terão o importante papel de fiel da balança. Isso tirará a pandemia do domínio dos que buscam explorá-la eleitoralmente e, também, dos que nela identificam oportunidades para a prática da corrupção, esse endêmico mal que tanto tem feito o brasileiro sofrer...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.