Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Passados seis meses das eleições e quatro da posse dos eleitos, ainda temos no país o acirrado clima de disputa ideológico-eleitoral. De um lado, os perdedores – que deveriam estar silentes já que o povo os preteriu – e do outro, temerariamente, até membros do governo, em vez de serenar os ânimos, incendiando o cotidiano. O país precisa, nesse momento, de calma e tranquilidade para vencer os grandes desafios. Que cada uma das instituições cumpra com seus deveres sem a necessidade de sustentar o debate de temas que, na maioria das vezes, não lhes dizem respeito.

O governo tem, prioritariamente, de cumprir o seu programa de reformas, os congressistas – responsáveis por aprová-las ou não – têm o dever de discutir os projetos, aperfeiçoá-los e fazer com que saiam das casas legislativas melhores do que entraram. E o Judiciário, Ministério Público e instituições correlatas, por seu turno, são responsáveis pela fiscalização do cumprimento das leis, apuração de crimes ou inconformidades e aplicação das penalidades  àqueles que delinquiram, sejam os errantes simples cidadãos ou criminosos de colarinho branco egressos do meio político ou do empresarial.

Os políticos oposicionistas têm o direito de ser contrários ao que o governo propõe, mas deveriam fazê-lo dentro da ética e dos bons princípios. Jamais no estilo selvagem e descompromissado que se tem verificado em suas intervenções nos diferentes eventos. Precisam entender que ao criar dificuldades para o governo, estão prejudicando a população, a quem irão pedir votos nas próximas eleições. Já os governistas – e aí se incluem integrantes do meio palaciano – deveriam tomar mais cuidado para não estimular discussões estéreis, como a questão da filosofia e pedagogia e outras que pouco representam no conjunto, mas criam ruídos. Formar o governo sem barganhar já foi um grande feito e assim deverá se manter. Retirar o viés ideológico do ensino e acabar com a balbúrdia nas escolas e universidades são importantes tarefas. Isso sem dizer da reforma da Previdência e da lei anticrime, que já tramitam pelo Congresso. Além dessas, existem muitas outras ações necessárias.

Por mais que se propale que democracia é a liberdade que temos para concordar ou discordar (e isso é verdade), é preciso que todos os atores desse imenso teatro atuem com bom senso. O clima semelhante à disputa eleitoral num período em que não existem eleições em curso é puro desperdício de energia que favorece apenas a praga dos radicais – tanto de esquerda quanto de direita – que em nada impulsionam o desenvolvimento econômico e social. Precisamos de paz para recolocar o país na verdadeira rota do equilíbrio e do progresso. O clima eleitoral ou de final de campeonato só prejudica...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.