Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

São Paulo começa a ser submetido à sua terceira experiência de regionalização na gestão administrativa pública. Na primeira, em 1967, ao tempo do governador Roberto Abreu Sodré, o Estado, até então dividido apenas em Capital e Interior, foi picado em 10 Regiões Administrativas que, pouco depois, foram elevadas para 11, quando o governo cedeu à pressão política de Marília, ali criando e instalando a 11ª Região, fruto da divisão da 7ª Região, sediada em Bauru. Como resultado, o centro do Estado ficou com duas regiões nanicas e supostamente menos representativas. Enquanto as demais reuniam perto de 80 municípios, Marília ficou com 51e Bauru com 39. Em 1984, no governo Franco Montoro, o primeiro desde a volta da eleição direta dos governadores, criou-se os Escritórios Regionais de Governo em 48 regiões, que funcionam até hoje. Agora, a Secretaria de Desenvolvimento Regional, prepara a nova divisão do Estado, que deverá partit o território em 9 Regiões Matropolitanas, 5 Aglomerações Urbanas e 21 Microrregiões. Cada figura jurídica dessas deverá agrupar uma parte do território, com suas características e interesses de forma a poderem atuar e resolver os problemas conjuntamente. 

Nos 54 anos que nos separam da primeira experiência de regionalização, muita coisa mudou. O poder público, então dotado de órgãos prestadores diretos de serviços, hoje é mais enxuto e os realiza por concessão, reservando-se à função fiscalizadora. Exemplo mais marcante disso é o DER (Departamento de Estadas de Rodagem), que possuía grandes regionais para manter as estradas e hoje é diminuto, pois a malha viária é em grande parte terceirizada. De outro lado, cresceu a estrutura de Saúde que, mesmo assim, ainda é insuficiente.

A estrutura em montagem justifica-se pelas mudanças tanto físicas quanto legais, estas derivadas das Constituições de 1988 (federal) e 1989 (estadual). Também há de se levar em consideração a nova realidade física e política do Estado e os recursos tecnológicos e de comunicação hoje disponíveis. A elaboração da lei a ser encaminhada à Assembléia Legislativa começa a ser discutida em audiências públicas que reúnem prefeitos, vereadores e outras lideranças interessadas. Após a tabulação das demandas e de acordo com os estudos técnicos já disoníveis, o projeto será submetido aos deputados estaduais.

Espera-se que desta vez o Estado consiga melhores resultados do que nas anteriores e, principalmente, não faça como ocorreu nos anos 80, quando montou a estrutura das Regiões de Governos mas não eliminou as Regiões Administrativas. Essa dualidade muitas vezes esteve em choque e trouxe problemas à administração e ao próprio desenvolvimento do Estado e solução dos problemas. É importante que, além de colocar a máquina pública em consonância com o estabelecido na legislação e na realidade de nossos dias, a nova estrutura seja um indutor do desenvolvimento harmônico de todas as regiões do Estado e, em vez de dividi-las, seja capaz de uni-las através de suas diferentes potencialidades e interesses. Que todas as regiões possam ser pólos de desenvolvimento naquilo que têm de melhor e, unidas, sustentem o Estado e o mantenham como grande gerador de trabalho, renda e bem-estar para a população. Equilibrado e produtivo, São Paulo é o grande pólo irradiador do progresso para todo o país.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.