Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A pandemia do coronavírus é mais um flagelo da humanidade. Faz-se presente em 186 países, onde já contaminou 830 mil e matou mais de 41 mil pessoas. No Brasil, temos quase 6 mil contaminados, 202 mortos e muita incerteza de como o mal se comportará nas próximas semanas e meses. É esse grande ponto de interrogação que leva ao toque de recolher vigente há dias e à possibilidade de que os danos e sofrimentos causados pelo recesso possam ser maiores do que os do próprio vírus. Impatriótico é o comportamento das autoridades que, em vez de se unirem em busca da melhor solução, partem para o confronto e, miseravelmente, para a priorização de suas diferenças políticas, ideológicas e até dos interesses eleitoreiros. Divididas, as forças da sociedade detentoras do poder, tendem a ser menos eficientes no cumprimento de seus deveres e o mal a se avolumar, em prejuízo de toda a população.

Presidente, governadores, prefeitos, ministros, secretários e todos os detentores de alguma parcela de poder, seja ele público ou privado, têm de chegar a um acordo de salvação nacional. Vencida a pandemia, que voltem às respectivas posições. Mas, enquanto tivermos a incerteza de que  nós próprios ou nossos familiares e amigos poderemos em breve estar mortos pela Covid-19, temos é de buscar prioritariamente salvar a própria vida pois, sem ela, nada mais existirá. Precisamos de alguém com representatividade que seja capaz de construir o grande acordo e levar todos a remarem para um mesmo lado com a certeza de que, divididos, todos perderão.

É preciso dizer ao povo, massa de manobra, que não é hora de fazer concentrações ou manifestações, até porque elas estão proibidas em função da possibilidade de contaminação. E que os panelaços, independente se contra ou a favor do presidente, também são extemporâneos nesse momento em que temos um inimigo comum, silencioso e letal a combater. Guardem suas energias para momentos mais apropriados em que o ambiente esteja mais salubre para se reunirem e manifestar seu descontentamento, satisfação ou qualquer outro sentimento de que estejam possuídos. Agora não é hora!

Panelaço nessa hora é pura rebeldia sem causa, por mais causas e razões que seus praticantes possam invocar. Ele nada produzirá, mas servirá para no todo enfraquecer a República e suas instituições, e tornar mais difícil ainda a solução dos problemas. No momento, o melhor a fazer é torcer e se possível trabalhar para que os governantes se entendam e acertem na estratégia e na medida do combate à tormenta, que tememos estar apenas no começo. Pensem nisso...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.