Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Continua faltando doses das vacinas contra a covid lá na ponta, nos postos de vacinação, para aplicar nas pessoas, pois o Ministério da Saúde não está distribuindo com a celeridade que a trágica realidade exige e por isso, cidades estão  parando a vacinação. Para complicar esse tempo funesto de pandemia,  Bolsonaro tenta envolver as Forças Armadas em seu discurso político nas manifestações do dia 7 de setembro, mas os militares têm afirmado que as corporações fardadas não embarcarão no golpe. Um oficial de alta patente descartou a possibilidade de as Forças se somarem ao desgovernante em uma  tentativa de protestos antidemocráticos. “Não há a menor chance”. O que acontecerá no dia 7 de setembro?

Há uma semana, o presidanta, que faz propaganda das coisas mais idiotas pelas quais alguém pudesse de orgulhar, exibe medalha 3 Is: “Imorrível, imbrochável e incomível”. Quem faz muita propaganda… Bolsonaro mostrou a merdalha na saída do Palácio da Alvorada. Coisa besta para um presidente, bem fora da casinha. Cuidar da pandemia, nem pensar. Mas falar e fazer coisas inaceitáveis, imperdoáveis, chulas, tudo bem. Surpresa nenhuma.

O país completa dez dias seguidos com média abaixo de 700. Desde o começo da vacinação, a primeira dose foi aplicada em 133 milhões de pessoas, ou 62,37% da população. Na quinta, passou de 30% o percentual de brasileiros completamente vacinados. São mais de 64 milhões de pessoas ou 30,32%. Uma notícia boa: Vai começar a vacinação para maiores de 12 anos e a terceira doze para idosos e pessoas com comorbidades. A Pfizer entregou, no meio da semana passada, mais de um milhão e meio de doses ao Ministério da Saúde brasileiro e até o o dia 5 de setembro houve outra entrega, perfazendo 10 milhões de doses entregues num intervalo de 4 dias. A entrega de doses pelos laboratórios, inclusive de outras marcas que não a Pfizer, é bem grande, mas a distribuição é muito lenta, por parte da União, que centraliza a entrega para os Estados, o que faz com que a vacinação tenha que parar em muitas cidades. Vamos ver como vai ficar com a vacinação de maiores de doze anos e a terceira dose. Se só com a primeira e segunda dose a coisa já tá complicada, como é que vai ser com mais as doses para os adolescentes e também para a terceira dose? Mistério. 

A verdade é que precisamos nos cuidar. A Delta está entre nós, o contágio é muito alto e os números de casos e de mortes ainda estão muito altos, extremamente altos. Não dá pra baixar a guarda. Temos que continuar com as máscaras, com o distanciamento físico e com a higiene das mãos: muito álcool e muito sabão.

Luiz Carlos Amorim – Escritor, jornalista, editor e revisor, Cadeira 19 na Academia SulBrasileira de Letras, Fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA, com 41 anos de literatura,. Http://www.prosapoesiaecia.xpg.uol.com.br - lcaescritor@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.