Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

"Você utilizou o transporte coletivo nos últimos 30 dias?" Essa pergunta deveria ser, obrigatoriamente, formulada a todos os que buscam consultas e exames com suspeita de infecção pelo coronavírus. Principalmente agora que São Paulo ensaia parar em "lockdown" e amplia o rodízio de veículos, que outras cidades também impõem restrições à circulação de automóveis e, como resultado, assistem o lotar dos terminais, pontos e veículos - ônibus, vans, trens e metrô - em boa parte por quem é obrigado a deixar o carro em casa.

Se escolas, repartições, clubes, cinemas, shoppings, lojas, bares, restaurantes e prestadores de serviços - exceto os essencialíssimos como supermercados, hospitais e farmácias  - são impedidos de funcionar para evitar as aglomerações que podem levar funcionários e clientes a adoecer ou transformarem-se em transmissores do coronavírus, nada mais lógico do que pesquisar os locais onde se contaminaram os que buscam socorro, entre esses lugares os terminais e veículos de transporte público, onde é humanamente impossível guardar a distância aconselhada de um metro e meio entre uma pessoa e outra e certamente não há disponibilidade de funcionários e nem de insumos para a desinfecção imediata e permanente de corrimãos e outros suportes onde os usuários seguram para se equilibrar quando viajam em pé, ou se apóiam ao embarcar e desembarcar.

É contraditório segregar a população, obrigar todos a usar máscaras, admoestar os que se aglomeram e, ao mesmo tempo, forçar a se juntarem no transporte coletivo milhares de donos de automóveis que, se não estivessem retidos na garagem, poderiam proteger da infecção seus ocupantes, de quebra, evitar a potencialização dos riscos aos que não possuem condução própria.

Toda informação é útil, especialmente num quadro adverso como o atual (18/05), em que nosso país contabiliza 16.118 mortos e 241.080 mil doentes pela pandemia. A certeza de que a proximidade dos passageiros ou qualquer outra variável está (ou não está) causando a transmissão da Covid 19 pode fazer grande diferença e servir de apoio  para a tomada de decisões e providências mais eficientes pelas autoridades e até pela própria população. Seu bom emprego será capaz de salvar preciosas vidas...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.