Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A criação da primeira escola cívico-militar no Estado de São Paulo está causando tensão  em Sorocaba. O conselho escolar e o Ministério Público rejeitam a adoção do novo regime na Escola Municipal Matheus Maylasky que, mesmo assim, recebeu, na última segunda-feira (17), a equipe de 13 militares para sua gestão. Desde o ano passado, a transformação vem causando controvérsias. Uma liminar emitida pela Vara da Infância e da Juventude, em ação proposta pela promotora Cristina Palma, suspendeu o processo de instalação militar, sob o argumento de que a pesquisa sobre a mudança de regime abrangeu apenas 30% da comunidade escolar e o conselho da escola a rejeitou por 11 votos a 4. Também argumentou a representante do MP que, localizada no centro da cidade, a escola aprova 99% do seu alunado, estando assim fora do objetivo do Programa Nacional de Escolas Cívico-Militares (Pecim), de contribuir para  melhorar o ensino, além de reduzir os índices de violência, repetência e abandono escolar. A tese é que o programa deve se implantar em escolas vulneráveis.

Durante a apresentação dos militares, pais de alunos protestaram contra a mudança e, no dia seguinte, a juíza Erna Thecla Maria Hakvood determinou a suspensão da militarização, apontando que a prefeitura não esperou a conclusão das análises pedidas pelo Conselho Municipal de Educação sobre o cumprimento das normas do Pecim. Também fixou multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento da ordem judicial.

A polêmica, salvo melhor juízo, é desnecessária e agora vai exigir equilíbrio e modulação diante das barreiras estabelecidas. Parece ser mais um caso de inadequação da mudança para a escola escolhida do que rejeição ao sistema de aprendizado cívico-militar. Espera-se que o prefeito sorocabano e sua equipe consigam achar o ponto de equilíbrio com a comunidade escolar e a contenda se resolva satisfatoriamente.

Mas toda discussão deixa subsídios. Desta restará a lição de que a mudança da regime escolar-disciplinar não deve ser aplicada a escolas com boa avaliação e produtividade, como se  informa ser o caso da Matheus Maylasky. O ensino cívico-militar, que tem o apoio pessoal do presidente Jair Bolsonaro, apresenta bons resultados em diferentes pontos do país e poderá ser a solução em pontos problemáticos da rede escolar. É preciso, no entanto, ter sólidas justificativas para ser adotado.

É importante declarar que esse sistema não pode ser o simples contraponto à nefasta ideologização ocorrida no magistério e no meio escolar durante as ultimas décadas. Sua aplicação tem de ser voltada para critérios cívicos e sociais, sem a aplicação de viés político-ideológico. Trocar a esquerda pela direita seria a manutenção do indevido, visto que o aluno deve ser levado a conhecer, raciocinar e, ele próprio, com o resultado do aprendizado, fazer a sua opção ou, se assim o pretender, manter-se em neutralidade. A escola não pode ser meio difusor de doutrinas políticas e ideologias, mas de formatos e meios para que cada um encontre o caminho que lhe seja mais adequado.

Quanto à escola cívico-militar, espera-se que sejam disseminadas e bem recebidas pelas comunidades como mais um serviço à disposição da população e jamais possam ser usadas como meio de ativismo político-ideológico. A cultura militar, apesar de todo o proselitismo que as correntes políticas criaram em nosso país, é apolítica e voltada para as boas práticas. Se aplicada de outra forma, não atende às necessidades do povo.

Que se mantenham e ampliem as escolas e todas elas sejam centros apolíticos de aprendizado e qualificação de nossos jovens. Capazes de ensinar o aluno a conhecer, refletir e tomar a melhor decisão para a sua vida e a comunidade. Sem qualquer conotação ao movimento que ganha corpo no país, precisamos das escolas sem partido. Que os partidos e a política – também importantes para o país – fiquem em seus devidos lugares, mas nunca dentro da sala de aula...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.