Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Independente do resultado, a contenda judicial-policial aberta dentro da sucessão presidencial dos Estados Unidos, configura-se num grave problema àquele país, considerado a maior democracia (e economia) do mundo. Se restar confirmado, o candidato democrata Joe Biden chegará à Casa Branca acossado por denúncias políticas e pessoais e sob o peso de uma eleição viciada só comparável às de republiquetas atrasadas. Se o presidente Donald Trump der a volta por cima, tende a ter o segundo quatriênio presidencial mais contestado do que o primeiro, onde foi atacado diuturnamente. É a eleição do perde-perde, onde os candidatos saem menores do que entraram e a Nação é a grande prejudicada.

Os norte-americanos, conservadores por natureza e, com a devida razão, orgulhosos de sua estabilidade político-constitucional de mais de dois séculos, amargam denúncias de fraude eleitoral, como a criminosa contagem de votos atribuídos a mortos, e uma saraivada de denúncias contra o presidente virtualmente eleito. De outro lado, temem que, se não obtiver sucesso na disputa judicial, o impetuoso Trump, num gesto tresloucado, revele segredos de Estado e, com isso, periclite a segurança e a paz nacional e até mundial. Um presidente norteamericano detém informações de elevadíssima relevância que, reveladas publicamente ou a interlocutores indevidos, podem criar instabilidade política, econômica e social e até provocar muitas mortes em todo o planeta.  

O que o mundo assiste em território estadunidense é uma guerra eleitoral onde os concorrentes rompem todos os limites da razoabilidade, legais, morais e éticos no intuito de vencer, pouco se importando com o rastro de destruição que deixam ao passar. Democratas e republicanos não são mais aqueles dos tempos de Kennedy e Reagan e isso terá consequências.

Pior é que o fenômeno não está restrito aos EUA. Vivemos no Brasil algo semelhante quando se trata de política nacional e estadual. Esquerda e direita são inteiramente diferentes do que eram nos bicudos tempos da guerra fria e do regime militar. O ativismo irresponsável e sectário varre o país e leva forças e grupos políticos a absurdos. Poucos se importam com os efeitos colaterais de seus gestos. O objetivo, aqui, também é vencer a qualquer preço, mesmo com o risco da destruição do país e o sofrimento do povo.

A atividade política é nobre e sua finalidade é promover o bem-estar. Precisa, urgentemente, voltar a ser exercida com dignidade, interesse público e humanidade. Sem o retorno desses valores básicos, desgraçadamente, a ruína é uma questão de tempo. Pensem nisso, e mudem...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.