Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A duras penas, o governo conseguiu aprovar a reforma da Previdência. Faz, dessa forma, o ajuste que todos os governantes das últimas quatro décadas reconheceram como necessário, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer até tentaram, mas só Bolsonaro conseguiu. A aprovação é tão importante que o mercado reagiu imediatamente, com a Bolsa chegando a 107 mil pontos e o dólar recuando em 1,34%. Mas é bom lembrar que isso não resolve todos os problemas. Executivo e Legislativo precisam agora se debruçar sobre as reformas administrativa e tributária. A administrativa, para diminuir o tamanho da máquina estatal, eliminar cargos criados politicamente e que não atendem às finalidades do serviço público, e a tributária para eliminar privilégios que oneram os pagadores de impostos e afugentam os investidores. As reformas são imperativos nacionais e, como tal, não podem ter a paternidade do Executivo e nem do Legislativo e, muito menos, ser personalizadas nas figuras de detentores de mandatos ou de autoridades que delas participam.

Na Previdência, além do texto base, teremos agora a tramitação PEC (Proposta de Emenda Constitucional) paralela, elaborada pelo Senado, onde se encaixarão questões específicas, sendo a maior dela a inclusão de Estados e municípios. Sabiamente gestou-se a possibilidade de, dispondo da autonomia federativa, os governos e parlamentos estaduais e municipais terem a opção de absorver as regras federais ou criar situações específicas se, para tanto, tiverem condições políticas e econômicas.

Nas reformas em curso ou em estudos é preciso alcançar a estabilidade. Romper com o paternalismo herdado da era getulista – onde o Estado oferecia benesses mas controlava os setores – e enveredar pela era globalizada, onde os países e seus setores competem e vence aquele que melhor produzir e oferecer seus produtos a preços mais compensadores ao mercado. É um grande desafio, principalmente porque elimina o vício disseminado de se viver à sombra do erário. Isso, bem aplicado, trará a alternativa do mercado aos que durante  décadas se mantiveram pendurados nas tetas do governo.

Além da reforma legal, é preciso privatizar todas as empresas estatais, eliminar privilégios do funcionalismo que escandalizam a Nação, encontrar formas honestas, justas e sustentáveis de manter os partidos políticos, custear as eleições e dar segurança a todos que queiram colocar seu capital para induzir o desenvolvimento e lucrar na nossa economia. A Previdência é apenas o começo. Ainda há muita impropriedade e mazela a serem extirpadas, pelo bem da Nação. Há que se encontrar a mais justa divisão entre o público e o privado...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.