Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Comissão Especial da Reforma Administrativa aprovou o substitutivo do relatório e agora a PEC irá ao plenário da Câmara dos Deputados. Já faz um ano que o governo enviou a proposta para a Câmara. E já faz um ano que lutamos contra a PEC 32 e o retrocesso que ela representa ao funcionalismo público. Mas quais mudanças prevê esse substitutivo?

A primeira é a manutenção da estabilidade para todos os servidores de carreira. Trata-se de uma importante vitória em relação à proposta original, que mantinha a estabilidade para apenas algumas carreiras específicas (escolhidas pelos deputados). Um completo absurdo.

Por outro lado, a reforma favorece a criação de vínculo de contrato temporário. Como isso funciona? O ingresso à vaga seria feito por meio de seleção simples, sem concurso público. Aí o funcionário permanece na função por prazo determinado (até 10 anos), sem possibilidade de recontratação. O novo vínculo explica que esse tipo de contrato só poderá ser utilizado “com o intuito de suprir lacunas excepcionais e transitórias, que atrapalhem o funcionamento da máquina pública”, destaca o texto. 10 anos não me parece uma situação ‘transitória’.

Outra mudança é a criação de diretrizes para avaliação de servidores. O desempenho julgado como insatisfatório pode resultar na demissão do servidor, o que hoje só pode acontecer por decisão judicial transitada ou em processo administrativo disciplinar.

O texto também prevê o fim de diversos direitos do servidor, como férias superiores a 30 dias, licença-prêmio, progressão ou promoção baseadas exclusivamente em tempo de serviço.

Os relatores usa, a velha desculpa de que querem melhorar a qualidade do serviço público, mas essa não engana mais ninguém. Eles dizem que a reforma atinge somente os novos servidores, mas sabemos que nunca foi bem assim. A PEC 32 afeta servidores aposentados e pensionistas, como também os atuais servidores.

Mesmo com pequenas vitórias em alguns pontos, a reforma administrativa representa enorme retrocesso em relação a todos os direitos que os servidores lutaram para conquistar. É um tapa na cara do funcionalismo público e também do povo brasileiro. Não à PEC 32!

Antonio Tuccilio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP) - analivia@textoassessoria.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.