Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O presidente Jair Bolsonaro encaminhará nesta quinta-feira (03/09), ao Congresso Nacional, a proposta da Reforma Administrativa. Diferente do que o funcionalismo temia (e os opositores alardeavam), as mudanças deverão valer só para os servidores – federais, estaduais e municipais – que ingressarem na carreira depois de entrada em vigor da nova lei. Os atuais  manterão inalterada sua situação. O funcionalismo dos três níveis é composto por 9,77 milhões de servidores e equivale a 21% dos trabalhadores formais do país.

A medida pode desagradar os setores ultrarreformistas mas, se bem analisada, faz justiça a uma classe que pode ter suas mazelas – notadamente em relação aos privilegiados do topo das carreiras e de área específicas – mas é de fundamental importância para a estabilidade nacional. O servidor público regular é especial pois sua carreira é diferenciada das  do mercado privado. Por um lado isso o blinda de demissões imotivadas  e outras vulnerabilidades, mas não lhe dá facilidades para melhorar de vida como ocorre aos trabalhadores de empresas que, insatisfeitos, podem procurar outro empregador. O serviço público, via-de-regra, é para toda a vida. A maioria dos servidores não tem elevados salários e nem as vantagens que escandalizam o setor. São vocacionados e têm dedicação absoluta às tarefas que abraçaram profissionalmente.

É verdade que existem vícios. Isso vem desde os tempos do Brasil-Colônia. Naquele tempo e até poucas décadas atrás os postos eram preenchidos por influência e indicação  política ou social. A exigência de concursos públicos oxigenou o meio e deu oportunidades mais compatíveis a todos. Privilégios criados ao longo do tempo – como a pensão das filhas solteiras – tiveram a extinção decretada mas ainda sobrevivem na pauta dos direitos adquiridos. Se examinarmos detidamente, encontraremos outras situações que merecem revisão. Porém, tudo isso se consolidou durante séculos e alterar no decorrer da carreira do servidor que, na maioria das vezes não tem como trocar de atividade, seria um problema e gerador de contendas judiciais.

A opção de corrigir as impropriedades na hora da troca natural dos servidores que se aposentam por novos admitidos via concurso, é a mais acertada. Não tumultua o serviço público que – mesmo com problemas – atende às necessidades, e prepara a otimização das carreiras para as próximas décadas. A reciclagem pelo processo vegetativo da aposentadoria e da substituição vai trazer soluções aos problemas sem o trauma da mudança em hora indevida. Mas as mudanças não ficarão restritas à substituição de servidores. O serviço público como um todo deverá passar por importantes alterações, decorrentes da tecnologia que a cada dia apresenta novas soluções para a execução das tarefas. Os servidores deverão ser atualizados conforme o ambiente social, econômico e tecnológico com que terão de conviver. Não mexer com quem já está com a carreira em andamento é prova de sensibilidade dos executores da reforma e,vias de ser deflagrada.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.