Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A entrega da primeira parte do projeto de reforma tributária ao Congresso Nacional, pelo ministro Paulo Guedes, abre um novo tempo na vida nacional. É a hora em que, independente do seu posicionamento político-ideológico, os setores representativos da sociedade, e até o próprio cidadão, deverão se mobilizar para a defesa dos próprios interesses. Oportunidade única em muitos anos para se discutir e alcançar o equilíbrio entre a necessidade de arrecadação do Estado e a possibilidade contributiva da população. As reformas ocorridas até agora têm sido pactuadas nos gabinetes e a população pouco ou nada  argumentou. Hoje, com as redes sociais atuantes, cada brasileiro poderá colocar sua idéia em debate e, se os congressistas e o pessoal do governo as observar, dali poderão ainda tirar  alternativas viáveis.

Toda vez que se fala em reforma tributária, vêm à baila os lobbies de segmentos organizados da sociedade e não raras vezes, foram eles ouvidos em detrimento da população, que ficou só com o ônus de pagar os tributos pactuados. Hoje esses grupos de pressão continuam existindo – bancos, municípios, servidores, etc – e vão atuar novamente. Cabe aos parlamentares (especialmente aos deputados, que representam diretamente o cidadão) usar os contrapesos em busca da justiça tributária onde o Estado possa arrecadar, mas o povo não seja forçado a recolher mais do que a capacidade de suas forças permitem. É preciso, também, acabar com a nefasta guerra fiscal, onde estados e municípios prometem doar terrenos, infraestrutura e baixar alíquotas tributárias para “roubar” de seus vizinhos as indústrias e outros empreendimentos. Essa luta tem se mostrado imprópria, pois quem ganha, muitas vezes, verifica que só teve lucro político, pois o que cedeu é maior do que a vantagem auferida.

Nas próximas fases da reforma virão temas delicados, como a volta da CPMF ou qualquer outros nome que se dê ao imposto do cheque e do pagamento à vista. Isso já derrubou o prof. Marcos Cintra (autor e defensor do imposto único) do alto posto de secretário da Receita Federal. A questão tem de ser vista com racionalidade. Não pode se adotar como mais um imposto. Se quiserem com contar essa fonte, os técnicos do governo precisam definir claramente o que será eliminado, e convencer o Congresso de sua utilidade.

Por fim, é importante que todos os negociadores e contendores esqueçam o  presidente Jair Bolsonaro. Não definam suas posições sobre a questão tributária como decorrência da cor dos olhos ou de gostar ou não gostar do presidente. O país é maior do que qualquer governante ou congressista. É preciso que se compreenda isso, evitando que o embate político, ideológico ou partidário atrapalhe o necessário aperfeiçoamento das instituições e, no caso presente, da máquina tributária nacional...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.