Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A República Brasileira completará 130 anos nesta sexta-feira. Durante esse tempo que nos separa de 15 de novembro de 1889, quando os militares retiraram o poder do imperador e constituíram a República, muita coisa mudou. De 14 milhões de habitantes fomos para 210 milhões. De eminentemente rural e até rudimentar, a economia nacional tornou-se tecnológica a ponto de praticar agronegócio em nível com os principais centros produtores do mundo e ser forte na indústria, tecnologia, cultura e afins. Vivenciamos hoje o mais longo período democrático de todo o tempo republicano que foi permeado por ditaduras e instabilidades. Estamos entre as dez maiores economias do mundo mas, mesmo assim, considerados apenas um país “em desenvolvimento” num próximo a 200 países. Hoje vivemos as agruras de, apesar de toda a modernidade social e tecnológica, não termos conseguiu ainda ser um país equilibrado e politicamente sustentável.

Infelizmente, a demagogia e os interesses subalternos de gerações não permitiram que  desenvolvêssemos uma administração pública sustentável e principalmente a ação política merecedora do respeito dos cidadãos. As reformas que hoje sacodem a cena política e ensejam munição para aproveitadores e carreiristas de todos os matizes resultam de impropriedades arraigadas. Há pelo menos um século, vivemos a polarização que nos levou às quebras institucionais e radicalizações tanto à direita quanto à esquerda. Ao mesmo tempo que se lutou pelo mccartismo (que perseguiu cidadãos nos EUA) e outros extremismos de direita, batalhou-se pela ditadura do proletariado, cubanização e por outras fórmulas alienígenas que nunca fizeram parte da alma do povo brasileiro mas lhes foram enfiadas goela abaixo.

Reconquistada a democracia, em 1985, os governos e a classe política não foram capazes de alcançar o país que necessitamos. Tivemos dois governantes afastados por “impeachment”, amargamos escândalos de corrupção com protagonistas de todas as tendências e ainda sofremos a crise. Perigosamente, verificamos lideranças temerárias investindo na radicalização. Seria interessante todos entenderem que não precisamos de esquerda e nem de direita. O Brasil carece de sustentabilidade e honestidade para sepultar os desequilíbrios que ainda assombram a economia, a administração pública e até o meio institucional. A democracia vivida ao longo das ultimas três décadas, lamentavelmente, têm sido seguidamente golpeada por interesses excusos, radicalismos ideológicos e outros males. É preciso acabar com tudo isso e, finalmente, trabalhar pela eficiência da máquina pública e sustentabilidade das instituições. Só assim é que, um dia, a nossa judiada República poderá atender aos anseios da Nação e oferecer aos brasileiros aquele sonhado país que, pelas circunstâncias, sempre esteve na esperança de um futuro promissor mas nunca o teve disponível à população...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.