Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Você já parou para pensar que muitos conflitos entre gerações poderiam ser minimizados, se apenas uma coisa fosse levada em consideração? Sim! Apenas uma coisa: a forma de ver o outro! Não se precisa de muito para viver a harmonia tão sonhada e desejada entre as gerações. Em todos os lugares “esbarramos” em pessoas que não pertencem à nossa geração. Assim acontece em casa, entre pais, filhos e avós; no trabalho, entre as gerações X,Y,Z e os “Baby boomers”; na vizinhança, na igreja, no hospital. Quem nunca foi atendido por um médico e saiu do consultório dizendo que ele era ultrapassado ou inovador demais?

Percebe que não tem saída? Sempre estaremos convivendo com pessoas de gerações diferentes da nossa, isso é inevitável.

Diante dessa realidade e de um país, uma sociedade, que envelhece, – e graças a Deus, os idosos se tornam uma geração ainda mais comum em nosso meio –, não poderíamos considerar que a forma de ver o outro é o ponto que minimizaria muitos desses conflitos entre gerações?

Muitos desses conflitos, seja no âmbito organizacional, seja familiar, acontecem devido à rotulação e ao enrijecimento no “como lanço o meu olhar em direção ao outro”, muitas vezes, cingindo ou vendando os olhos e os ouvidos para tudo o que o outro traz, pelo simples fato de prejulgar que ele seja ultrapassado ou inovador, criador ou sonhador. Na verdade, em ambas as situações o que temos são apenas pessoas! Se passarmos a olhar o outro como uma pessoa, e a vermos que dentro da realidade dela existe uma experiência e uma percepção que pode acrescentar à nossa vida, e que assim como nós deve ser respeitada, as relações melhorariam exponencialmente.

Afinal de contas, não seria nada interessante e nem haveria tanto crescimento e consolidação, se no mundo existissem apenas revolucionários e desbravadores. Quem ficaria para contar a história e nos passar caminhos alternativos que aprenderam com experiências mal sucedidas? Quem manteria o que foi criado e desbravado? Assim como poderíamos pensar em um mundo mais “estável”, o que seria desse povo? Como os novos caminhos e horizontes se abririam, se ninguém se lançasse a desbravar esse caminho?

A construção de uma sociedade bem sucedida e capaz de atravessar o tempo e suas intempéries, depende do diálogo entre as gerações, dessa boa relação. Sendo assim, sempre será relevante ouvir as histórias dos mais velhos, pois eles nos mostram que temos uma história e uma trajetória, assim como ouvir as ideias e criações dos mais jovens, que darão aquele brilho e encorajamento necessários para desbravar um novo horizonte. O diálogo entre as gerações é como duas asas que, trabalhando juntas, são capazes de atravessar largos oceanos!

Aline Rodrigues é psicóloga, especialista em saúde mental e missionária da Comunidade Canção Nova. Atua com Terapia Cognitiva Comportamental; no campo acadêmico, clínico e empresarial.

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.