Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O momento atípico, que a humanidade está vivenciando, nos leva a concluir que a planeta Azul ficou “mais frio”...de calor humano.

Senão vejamos...escritório em casa (home office), compras online, educação a distância, telemedicina, pagamentos de contas via PIX, espetáculos culturais em live, entregas delivery, vídeo conferências, jogos esportivos sem torcidas, cultos religiosos pela TV. tudo graças aos fascinantes e irresistíveis recursos disponíveis na INFOVIA...sem sequer “um aperto de mão”.

Numa de nossas viagens pelo estado de Santa Catarina, prestando consultoria em Gestão da Qualidade para o 2º Batalhão  da Polícia Militar de Chapecó, ouvimos a seguinte frase : “a tecnologia aproximou as distâncias e distanciou as proximidades”, o que nos levou a uma reflexão mais atenta sobre o tema.

O espetacular avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios para a humanidade, invadindo todos os segmentos: familiar, científico, social cultural, religioso, empresarial, político, etc., mas afastou o convívio humano, agravado nestes últimos tempos pela desafiante pandemia.

Esse desenvolvimento pode ser acompanhado tendo como cenário o maior espetáculo da Terra - as olimpíadas.

A primeira olimpíada, dos tempos modernos, foi realizada em Atenas (1896) e a tecnologia da época era o telégrafo. Paris (1924), rádio. Berlim (1936), cinema. Helsinque (1952), placares eletrônicos. Roma (1960), televisão e telex. Tóquio (1964), cronômetros eletrônicos e células fotoelétricas. Munique (1972), transmissão de TV via satélite e em cores. Seul (1988), fax. Atlanta (1996), telefone celular. A partir de Sydney,(2000), a novidade foi a sedutora Internet. Ela ditou um novo estilo de relações nos segmentos de todos os portes e no cotidiano de cada um de nós.

Qual será a inovação tecnológica que será usada na transmissão dos próximos Jogos Olímpicos, que ninguém tem certeza quando serão realizados?

Creio que, apesar dos bem-vindos, Instagram,  Facebook, WhatsApp, Twitter, iPad, Telegram e tantos outros aplicativos da Tecnologia da Informação (TI) já disponível, nenhum “futurólogo de plantão” se arriscará a responder essa pergunta.

Apesar de todos os benefícios que as Redes Sociais nos proporcionam, há um evidente descompasso entre o progresso material do mundo e a melhoria das relações interpessoais, no nosso cotidiano.

O “Calcanhar de Aquiles” da Tecnologia da Informação (TI) é, sem dúvida, o abismo existente entre a ilha de ricos e o oceano de pobres, chaga social da humanidade, que ela não consegue minimizar.

Que a bem-vinda tecnologia seja sempre coadjuvante em nosso intercâmbio de informações e experiências, deixando para as nossas relações interpessoais -“ao vivo e a cores”, (quando possível) - o privilegiado papel de protagonista.

Deixamos uma pergunta: nós, os humanos, o que podemos fazer para deixar o mundo melhor?

Concluímos com a seguinte reflexão, recebida recentemente: “ Doutor! Não levanto a cabeça, rio sozinho, não converso com as pessoas, falam comigo e não dou atenção... O que eu tenho Doutor? Um Smartphone...

Faustino Vicente – Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos, Professor e Advogado – e-mail- faustino.vicente@uol.com.br – Jundiaí (Terra da Uva) – São Paulo - Brasil  - faustino.vicente@uol.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.