Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Confusão. Praticamente todos os homens modernos têm o seu coração imerso em confusão, tendo em vista que temos, por nossa própria constituição, uma grande desordem interior e, por inúmeras razões, procura-se, atualmente, ignorar soberbamente esse traço característico da nossa alma.

Das confusões que alimentamos, há uma que tem um lugar de destaque, que é o deus-nos-acuda que se edifica em torno da palavra liberdade.

Como todos nós estamos carecas de saber, mas não custa repetir, toda palavra que passa a ser utilizada de forma desenfreada pelas elites falantes, bem como pela galera da geral, acaba tendo o seu sentido originário mutilado, correndo o risco de chegar ao ponto de significar algo diametralmente oposto a ele. Bem, esse é o caso dessa tal liberdade.

Atualmente, tornou-se trivial ouvirmos um e outro dizer que ele, enquanto pessoa, é aquilo que ele quiser ser; que ele é o que ele sente ser no seu íntimo, que não deve nada a ninguém e que ninguém irá lhe impor nada que contrarie aquilo que ele considera a essência do seu ser, porque, “sacumé”, ele é livre para fazer o que lhe der na telha.

Sem querer querendo, cônscio ou não disso, todo indivíduo que repete essa cantilena para si e para os demais, está dando eco para a lei de Thelema, de Aleister Crowley, "fazes o que tu queres, há de ser o todo da Lei”, porque, segundo o próprio Crowley, o grande objetivo de nossas vidas, o sentido último de nossa existência, seria a procura pela auto realização através do nosso próprio esforço, sem o auxílio da Graça divina.

Mas isso não é liberdade, de jeito maneira, como bem nos ensina o filósofo brasileiro Mário Ferreira dos Santos. Não mesmo.

Segundo sua obra “Curso de integração pessoal”, no mundo contemporâneo se confunde por demais livre-arbítrio com liberdade e, esse tipo de confusão, tem levado muitíssimas pessoas à perdição e mergulhando a sociedade num oceano de insensatez.

Sim, todos nós podemos escolher  ser e fazer o que nos der na ventana, mas o nome que se dá a isso não é liberdade, é livre-arbítrio; que, por sua deixa, é a base da faculdade da vontade, que é um traço distintivo do ser humano em relação a todas as demais criaturas.

Por um ato de vontade, calcado em nosso livre-arbítrio, podemos escolher elementos que poderão nos tornar livres, ou que poderão nos escravizar. Podemos nos esforçar para tentar realizar a vontade de Deus, que nos liberta, ou podemos optar pela realização soberba de nossos desejos e caprichos, dos projetos ilusórios do mundo, das ideologias vaidosas e, todos estes, cada um ao seu modo, nos embrutecem sem a menor cerimônia e, ao final, nos escravizam.

E vejam como na sociedade contemporânea a escravidão das consciências e o embrutecimento do coração humano é cantado como se fosse o exercício pleno da liberdade.

Vivemos numa época tão ensandecida que os vícios, de toda ordem, são tratados por muitos como sendo apenas um estilo de vida e que, entregar-se a eles, seria um símbolo de libertação. Já uma vida virtuosa, aos olhos modernosos, seria tão somente um sinal de recalque e escravidão, um subproduto reacionário de uma era de trevas.

Esquecemo-nos que ser livre é ser vigilante. Vigiar nossas fraquezas que, feliz ou infelizmente, não são poucas. Desaprendemos que não se nasce livre, mas sim, que se conquista a liberdade com muito esforço e com o auxílio da Graça. Ignoramos que nossa alma tem inúmeros inimigos e que, muitas vezes, nós somos ao mais temível adversário de nós mesmos; inimizade essa que brota de nosso desmedido amor próprio que, muitas vezes, toma o lugar do amor à verdade que, em última instância, nada mais seria que o amor a Deus.

É. Adote como regra para sua vida a lei de Thelema, faça o que te der na sua ventana, guiando-se pelas ideologias que se apresentam para tomar o lugar da verdade, afagando seus desejos caprichosos como se fossem direitos sacrossantos, como é ditado por boa parte da cultura contemporânea e, ao final, verá o que será a tal liberdade prometida por essa nossa decadente sociedade. Quer dizer, já estamos vendo não é mesmo? Só não vê isso quem está entregue de corpo e alma a esse melancólico embalo sorumbático.

Escrevinhado por Dartagnan da Silva Zanela - dartagnanzanela@gmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.