Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Envelhecer para os nossos antepassados era o privilégio de poucos, hoje uma oportunidade para a maioria. A expectativa de vida de um brasileiro nascido há cem anos era de 35 anos. Em 2021, chegará a 77 anos. “Mas devem ser 42 anos mais de vida, não de velhice”, bem nos lembrou o médico gerontologista Alexandre Kalache, Presidente do Centro Internacional da Longevidade no Brasil.

Segundo o médico, trata-se de uma verdadeira “ revolução da longevidade”, a maior conquista da sociedade em nível global nos últimos cem anos. No entanto, ele mesmo nos chama atenção: o que deveria ser celebrado é motivo de lamento para muitos. Porque não basta apenas envelhecer. É preciso fazê-lo com qualidade e dignidade – algo que, infelizmente, ainda não está acessível a todos em nosso país.

Desde o ano passado, a pandemia tornou ainda mais evidente a vulnerabilidade dos idosos, especialmente aqueles que estão em instituições de longa permanência. Com visitas restritas por motivos de segurança, os idosos que já perderam contato com as famílias e têm na interação com voluntários e visitantes sua principal forma de interação social, viram-se ainda mais distantes da comunidade.

Passamos por um momento difícil, que nos lembra a importância da união dos esforços entre políticas públicas voltadas aos idosos (no oferecimento de infraestrutura e profissionalização dos cuidados) e esforços individuais, pautados pelo exercício da alteridade.

Faz-se necessário, mais do que nunca, lembrarmos que toda vida idosa importa. Compreendermos o envelhecimento em suas diferentes nuances e necessidades, com olhar apurado, determinado a perceber como é ser idoso no Brasil. Somente a partir desse entendimento, das possibilidades e impossibilidades dos idosos, é que se torna factível a prática do cuidado.

Nós, da Sociedade de São Vicente de Paulo, os vicentinos, somos responsáveis pela direção de mais de 500 lares de longa permanência, localizados em todo o Brasil. O desafio é diário, e, em 2020 os desafios e aprendizados foram incontáveis. Nossa expectativa é que o ano que se inicia seja mais ameno, repleto de olhar e carinho humano, com esperanças e esforços renovados, para que todos os idosos recebam o cuidado que merecem.

Aproveitamos para convidar a todos para que se inspirem em colocar tempo, habilidades e recursos em atividades de ajuda ao próximo. Que o ano se inicie trazendo o legado da alteridade.

Cristian Reis da Luz é presidente do Conselho Nacional Brasileiro da Sociedade de São Vicente de Paulo - sistemas@pr.comuniquese1.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.