Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ao olharmos para Maria, facilmente descobrimos que sua vida é uma verdadeira escola de virtudes. Escolhida por Deus e preservada de toda mancha do pecado, em previsão de sua maternidade divina, Maria é saudada pelo Arcanjo Gabriel como a cheia de Graça (cf. Lc 1, 28). Nessa graça reside a grandeza de sua beleza, sua santidade e todas as virtudes.

O Catecismo da Igreja Católica (CIC), ao ensinar sobre as virtudes, afirma que elas são uma disposição habitual e firme para fazer o bem, ou seja, a virtude é o que permite à pessoa escolher e praticar atos bons, oferecendo o melhor de si. Essa disposição habitual na Virgem Maria é para nós um modelo, uma escola de santidade. Pois, além dessa propensão natural, Maria soube, em cada etapa de sua vida, acolher o dom divino e desenvolver com o seu sim todas as virtudes que a tornaram apta para o cumprimento de sua grande missão materna.

Dentre todas as virtudes de Maria, uma, à qual podemos nos deter em vista deste tempo em que vivemos, é a segunda virtude teologal: a esperança. Pela esperança, confiamos com a plena certeza de alcançarmos a vida eterna. Nesse sentido, Maria é o modelo mais sublime de alguém que soube nutrir em sua alma a virtude da esperança. Ainda que fosse a mãe do Filho de Deus, estando ela na terra, também esperava obter permanentemente a visão beatífica do Céu.

A esperança de Maria tem suas raízes no povo de Israel, ao qual ela pertencia, e sempre foi fiel às promessas de Deus. Por um grau elevado nessa virtude, devido à graça de ser a mãe do salvador, Maria possuía uma esperança completamente singular e inabalável.

Foi por meio dessa virtude que a Virgem Maria se manteve segura, na esperança de que Deus lhe concedesse todos os meios necessários para cumprir com a sua missão de Mãe do Salvador. A esperança sustentou Maria em suas maiores provações, colocando-a com firmeza no cumprimento da vontade de Deus.

Vemos, por exemplo, sua atitude esperançosa diante das angústias de seu esposo, São José, quando não podia explicar o inexplicável (cf. Mt 1, 18-19). Verificamos também que na fuga repentina para o Egito, a fim de salvar seu filho das ameaças de morte, foi a esperança que sustentou toda a família de Nazaré (cf. Mt 2, 14-18). E foi motivada pela esperança que Maria, nas bodas de Caná, recorreu ao seu filho confiantemente, pedindo que socorresse aqueles noivos do vexame de uma festa mal planejada (cf. Jo 2,1-11).

A virtude da esperança na Santíssima Virgem Maria é manifesta principalmente no seu completo abandono em Deus. Exemplo desse abandono foi o momento do calvário onde, mesmo passando pela maior de todas as dores, ao ver seu Filho amado sendo cruelmente crucificado, Maria manteve firme a sua esperança. E foi justamente pela virtude da esperança que Maria permaneceu de pé (cf. Jo 19, 25), esperando contra toda  a esperança, ela acreditou (cf. Rm 4, 18). E porque acreditou e teve esperança, não ficou decepcionada, pois a esperança não decepciona (cf. Rm 5, 5).

Como bons alunos dessa escola de virtudes, que é a Santíssima Virgem Maria, aprendamos com ela a virtude da esperança, pois essa virtude nos manterá de pé diante dos piores flagelos. A esperança nos fará enxergar que o sofrimento não é a resposta final. Com esperança, iremos além do sofrimento, e “alcançaremos” o Céu!

Bruno Antonio de Oliveira é missionário da Comunidade Canção Nova.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.