Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Benefício de Prestação Continuada é garantido pela Lei Orgânica da Assistência (LOAS) de n.º 8.742/93, a qual determina ser garantido um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência e a pessoa idosa com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família.     

Se trata de um benefício pago pelo INSS de caráter assistencial, o que significa não haver a necessidade contribuição previdenciária para ter direito a ele, basta cumprir os dois requisitos estabelecidos em lei: a) idade mínima de 65 anos ou deficiência; e b) miserabilidade.

Este benefício não dá direito ao recebimento do  13º salário, e também não gera direito à pensão por morte, diferentemente dos benefícios previdenciários. Ou seja: as aposentadorias são consideradas benefícios previdenciários e os benefícios prestação continuada (ao idoso ou ao deficiente) são de natureza assistencial (pagos sem qualquer contraprestação ou carência mínima). 

No dia 24 de março de 2020, foi promulgada a Lei nº 13.981/2020, já publicada no Diário Oficial da União, que alterou os requisitos previstos na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) para concessão do Benefício de Prestação Continuada – BPC. O novo dispositivo alterou o critério objetivo utilizado pelo INSS, em processos administrativos, para a concessão do beneficio assistencial. Agora, o valor máximo da renda per capita familiar para se ter acesso ao recebimento do BPC, é de de meio salário mínimo, ou seja, um valor igual a R$ 522,50 por pessoa.

A intenção é possibilitar o acesso ao benefício, correspondente a um salário mínimo, a mais famílias, para que essas possam suprir suas necessidades básicas e exercer os direitos fundamentais previstos na Constituição Federal Brasileira, tais como a dignidade da pessoa humana, a moradia digna, a saúde, entre tantos outros.

Apesar do critério objetivo apontado pela lei (1/2 salário-mínimo vigente), considerado determinante em sede administrativa e utilizado exclusivamente para as decisões do INSS, a Lei Orgânica da Assistência Social reconhece a necessidade de se observar as questões subjetivas do requerente.

A concessão do benefício de prestação continuada deverá, então, ficar sujeita à avaliação da deficiência e do grau de impedimento da pessoa portadora de deficiência e da pessoa idosa. A avaliação será composta por avaliação médica e avaliação social realizadas por médicos peritos e por assistentes sociais do Instituto Nacional de Seguro Social/INSS (art. 20, §6º, Lei n.º 8.742/93).

Além disso, a Lei prevê que poderão ser utilizados outros elementos probatórios da condição de miserabilidade do grupo familiar e da situação de vulnerabilidade da pessoa com deficiência e da pessoa idosa (art. 20, §11, Lei n.º 8.742/93). Isso tudo, provavelmente será averiguado em sede judicial, uma vez a autarquia previdenciária adota, em regra, apenas o critério objetivo.

Por isso o Superior Tribunal de Justiça (STJ) no julgamento de recurso especial repetitivo REsp. 1.112.557/MG, firmou entendimento de que a limitação do valor da renda per capita familiar não deve ser considerada a única forma de se comprovar que a pessoa não possui outros meios para prover a própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, pois é apenas um elemento objetivo para se aferir a necessidade e não reflete o “grau de miserabilidade” do indivíduo.

Sendo assim, o direito ao BPC à pessoas que possuam uma renda per capita superior ao valor estipulado em lei (1/2 salário base nacional – equivalente à R$ 522,50 atualmente) é possível por meio da análise das condições pessoais dos indivíduos, o grau de risco aos quais são expostos, a necessidade de meios de subsistências específicos e de maior valor, o que representa um gasto superior do normal, por exemplo.

Vale lembrar que são requisitos para a concessão, manutenção e revisão do benefício assistencial: as inscrições no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - Cadastro Único, conforme previsto em regulamento (art. 20, §12, Lei 9.742/93). Para requerer o BPC é necessário agendamento pelo telefone 135 ou através do portal MEU INSS. Caso o INSS negue o benefício é possível requerê-lo judicialmente.

Renata Brandão Canella, Advogada – Londrina – Paraná

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.