Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O grande poeta da língua portuguesa Fernando Pessoa tinha, ao ir fazer desaparecer, 47 anos:  ele nasceu em Lisboa, em 13 de junho de 1888 e completaria 133 anos neste aniversário, se vivo fosse. Deixava uma grande obra em prosa e verso.

Para construir seu singular e complexo universo poético, Fernando Pessoa parte do fingimento e da associação entre o pensar e o sentir, exprimindo-os em versos logo tornados verdadeiros hinos: "O poeta é um fingidor. / Finge tão completamente / Que chega a fingir que é dor / A dor que deveras sente."

Os heterônimos - personagens imaginários, dotados de estilos diferentes, através dos quais o "poeta fingidor" passou a se expressar literariamente - podem ter nascido na Cervejaria Jansen, pelo menos parte deles, pois foram mais de cem. Na mesma casa e época, Fernando Pessoa concebeu a revista Orfeu, em parceria com Mário de Sá-Carneiro, outro poeta português. Ambas as criações teriam nascido entre garfadas do famoso bife da casa.

Fernando Pessoa escreveu em seu nome e no dos heterônimos Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos, além de outros cerca de cento e trinta. O sentido dessas despersonalizações provoca debates. Em todo o caso, era um fingimento prodigioso. No exemplar verbete que a Enciclopédia Mirador Internacional dedica a Fernando Pessoa, Caeiro é apresentado como "poeta das sensações puras, naturalista e cético, hostil às regras métricas"; Reis, como "pagão e estóico, neoclássico que escreve odes horacianas e construção elíptica (...), sustenta a convicção de que o único caminho a se tomar na vida é o de afrontar a sorte com o silêncio"; Campos "cultiva a audácia e a energia, mas contraditoriamente faz a apologia do anti-heroísmo".

Pessoa era um sujeito alto e franzino, tinha pernas longas e o tórax pouco desenvolvido, embora praticasse ginástica sueca. Possuía o rosto comprido e as mãos delgadas. Caminhava em passos rápidos e desconjuntados. Vestia ternos cinzentos, pretos ou azuis. Usava chapéu inclinado para o lado direito. Os óculos eram redondos, com lentes grossas, que corrigiam a miopia e escondiam um pouco os inexpressivos olhos castanhos. Fumava demais, cerca de 80 cigarros por dia, e adquirira o característico pigarrear dos tabagistas. Tomava diariamente vários cafés e diversos tragos de bagaço, nome popular da bagaceira, aguardente feita com o bagaço da uva que acabou de ser usada para o vinho.

É raro um país e uma língua adquirirem quatro grandes poetas em um dia. Foi precisamente o que ocorreu em Lisboa a 8 de março de 1914. Pessoa é um dos maiores poetas da língua portuguesa, senão o maior. Parabéns, meu imenso poeta. Faça muita poesia no céu.

Quando passo na frente da A Brasileira, em Lisboa, e vejo o poeta sentado lá, tão solitário, apesar de tanta gente em volta, me dá uma vontade danada de ir lá conversar com ele. E já fiz isso. Já fomos vizinhos, morei pertinho, quase ao lado, e passava sempre por lá. De repente, volto a morar na região.

Luiz Carlos Amorim – Escritor, editor e revisor – Cadeira 19 da Academia Sulbrasileira de Letras. Fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA, que completou 40 anos em 2020. Http://luizcarlosamorim.blogspot.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.