Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O “apagão” do Facebook, WhatsAPP e Instagram, registrado na segunda-feira, revelou-se tão impactante quanto o da eletricidade. Não provocou escuridão nem parada de elevadores e eletro-eletrônicos, mas a inatividade das plataformas ou prejudicou o trabalho de meios de comunicação, empresas de diferentes setores, serviços públicos (educação, saúde, segurança) e outros que se servem da rede para interagir com sua clientela e colaboradores. Tratado pela operadora como “pane global”, o fenômeno ocorreu no Brasil, Estados Unidos, Europa e alguns países da América Latina e Ásia. A  disposição do Procon de São Paulo, de multar – em R$ 10,7 milhões - a operadora dos três aplicativos, demonstra a dimensão dos transtornos causados pela interrupção nos serviços. Mas, além disso, há a denúncia da ex-funcionária do Facebook, que disse ontem ao Senado dos Estados Unidos que a empresa preferiu ampliar os lucros em vez de investir em segurança.

Pelo tamanho que a internet e suas redes e serviços alcançaram, é preciso mais regulação. O poder público, que os licencia a operar, tem a obrigação de desenvolver mecanismos que garantam a boa prestação de serviços e o integral cumprimento da legislação nacional. É para isso que existe a figura das autoridades – especialmente o Legislativo e o Executivo - que fazem e aplicam as leis. Já temos um marco regulatório da internet, mas faltam definições e pormenores. Governos e legisladores não conseguiram avançar em garantias porque, erroneamente, tentaram controlar o setor além do devido. Não houve possibilidade de acordo em dispositivos que se pareciam com censura – que é proibida nos meios de comunicação brasileiros. A falta de definições tem levado ao cometimento de excessos por usuários e operadores e a decisões judiciais que merecem críticas justamente por esbarrar no cerceamento da liberdade dos que se servem do meio para se comunicar. As operadoras têm cometido abusos ao suspender contas e endereços sumariamente. Tudo isso tem de ser regulamentado e colocado em vigor sem demora.

O mecanismo que impede a censura aos meios de comunicação (artigo 220 da Constituição) funciona adequadamente no Brasil. Jornais, rádios e TVs têm liberdade editorial mas respondem de acordo com a legislação de cada área que eventualmente vierem a ofender. O mesmo princípio deveria ser aplicado à internet e suas plataformas, portais e assemelhados. E, mais que isso, estabelecer um contrato-padrão onde usuários e operadores tenham direitos e deveres, além de mecanismos para os manter e defender. As empresas estrangeiras que aqui vêm operar o serviço precisam, minimamente, obedecer a legislação local para evitar que a rede se transforme em terra de ninguém.

A rede mundial é apenas parte da formidável mudança ocorrida no mundo durante as ultimas três décadas. A principal delas é o ambiente digital que dá suporte a tudo e tornou mais dinâmica a produção gráfica e os processos laborativos. Por conta de sua competente estrutura, as redes e seus equipamentos hoje abrigam praticamente todas as atividades existentes. O fazem total ou parcialmente. A chegada da internet 5G – popularmente definida como 100 vezes mais rápida do que a 4G usada atualmente – deverá ampliar em muito sua participação nas atividades governamentais, empresariais, educacionais, de comunicação,  segurança, saúde e a outros  setores da sociedade. Governo, legisladores e centros de saber técnico e social precisam se mobilizar para criar regulamentos e leis que a permitam operar e, ao mesmo tempo, garantam os interesses da população e da sociedade.

Da mesma forma que os veículos de comunicação têm obrigações a cumprir para poderem operar, é imperativo que os exploradores de plataformas, portais, sites e outros serviços disponibilizados na rede mundial têm de ser regulados. Já acabou a fase do serviço experimental, prestado a poucos e sem volume e importância econômica. Hoje, cada minuto “fora do ar” representa elevado prejuízo e pode custar preciosas vidas. Mobilizem-se todos. O país tem pressa... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.