Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O ano – que será de eleições nos níveis federal e estadual – começa com o presidente da República internado, ao que tudo indica, por causa do ferimento e danos intestinais sofridos na facada de que foi vitima na campanha de 2018. O quadro nos leva a lembrar que, passados mais de três anos do crime, ainda não se conhece os autores intelectuais ou seus custeadores. Independente de a vítima ser Jair Bolsonaro, é importante lembrar que se a apuração demorar  ou não chegar aos responsáveis, os candidatos a todos os postos eletivos terão concretas razões para temer pela própria vida. Afinal, todo concorrente tem seus desafetos cuja carreira e atuação político-eleitoral poderão ser facilitadas pela eliminação da concorrência.

A conclusão de que o agressor, Adélio Bispo, teria agido solitariamente e por conta própria é inverossímil, principalmente em se considerando tratar-se de alguém de baixa capacidade econômica, que dificilmente teria condições de custear viagens e hospedagem nos lugares em que o candidato percorria em campanha. Outra questão pendente é a notícia  de sua entrada nas dependências da Câmara Federal no mesmo dia e hora em que desferiu a facada em Bolsonaro. Não tivesse sido preso em flagrante, simplesmente desapareceria e não haveria rastro para investigação. Outro esclarecimento devido é o custeio dos caros advogados que chegaram a Juiz de Fora logo após o atentado.

Concluiu-se que Adélio é inimputável por não gozar de plenas faculdades mentais. Ainda assim, mesmo mantendo-o em medida de segurança, a sociedade exige o esclarecimento, tanto para que os efetivos autores da trama sejam identificados e punidos quanto para que as providências desencorajem outros potenciais agressores que sonhem interromper a carreira dos políticos que não lhes sejam caros ou contrariem seus interesses. A impunidade costuma ser o grande indutor dos acontecimentos e, por isso, até por uma questão didática, deve ser evitada.

Razões jurídico-culturais fazem a nossa Justiça lenta e travada. Existe uma profusão de recursos e atos protelatórios à disposição dos defensores dos criminosos de colarinho branco e dos que, por alguma razão, têm acesso a experientes e caros advogados. No caso de Adélio, as primeiras questões a esclarecer são como, sendo alguém inapto mentalmente e pobre, teve dinheiro para acompanhar Bolsonaro pelo país; como obteve os serviços de afamados advogados imediatamente após cometer o atentado; e como se explica, no mesmo momento em que deu a facada, contar o registro de sua entrada na Câmara Federal, em Brasilia, 734 quilômetros distante de Juiz de Fora. Apuradas essas três vertentes, surgirão os nomes dos integrantes da organização criminosa para quem o agressor trabalhou. Aí bastará o Ministério Público promover a quebra dos sigilos telefônico, fiscal e bancário dos citados para, com isso, obter as provas definitivas do envolvimento (ou não) de cada um. Isso é um procedimento indispensável para se chegar aos criminosos.

Se com o presidente da República verificam-se demora dessa magnitude e entraves diversos para seguir as investigações, imagina-se o que poderia ocorrer em crimes do mesmo padrão cometidos contra governadores, deputados, prefeitos e simples vereadores. Isso é um verdadeiro acinte à democracia e tolerância aos esquemas criminosos. Precisamos de solução urgente. Elas interessam tanto a Bolsonaro quanto aos seus adversários e a todo cidadão de bem que, por alguma razão, possa cair na mira de criminosos que os queiram afastar da vida política, social, empresarial ou comunitária. Não apurar é um atentado à segurança da população e, por envolver o governante, à segurança nacional.

Que se resolva tudo antes do começo da campanha eleitoral. Só assim os candidatos poderão sair às ruas sem medo nem preocupação com a própria saúde e a vida...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br    

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.