Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Artigos e Opinião 22/01/2021  09h18

Aquele abraço

Gilberto Gil estava preso e não sabia que aquela saudação dos guardas para ele era um bordão do personagem Lilico, um sucesso da televisão. Mas ele achava simpático, gostava, embora não deixasse de anotar o aspecto irônico da coisa. “Aquele abraço, Gil”, diziam seus repressores, que lhe tiraram a liberdade porque ele e Caetano tinham defendido a liberdade. Aliás, aquele tempo, visto à distância, tinha mesmo um quê de patético: homens sisudos, apertados em uniformes oliva ou cáqui, acreditando resgatar o país de sua perdição que não passava, para a imensa maioria dos jovens daquela época, de desejo e busca  de liberdade, essa coisa leve, sem lenço e sem documento, como já destacara Caetano na canção de um ano antes. Não foi à toa que o AI-5, que escancarou de vez a ditadura, teve como mote o discurso do jovem deputado Márcio Moreira Alves, solicitando às namoradas dos cadetes para deixá-los na mão, numa paródia meio sacana da peça grega Lisístrata, comédia encenada em homenagem ao deus Dionísio. Era muita alegria e muita galhofa pra compreensão daqueles homens com braços fortes de flexões diárias e cérebros contidos por doutrinas e regras e proibições. Não foi à toa que na reunião que decidiu o AI-5, em uma sexta feira treze, os ânimos estavam exaltados e perdigotos eram lançados para todos os lados, maculando mangas de fardas que continham mãos crispadas de fúria e excitação negada. “Aos escrúpulos com a consciência”, vociferou Jarbas Passarinho, apoiando o Ato Cinco que prendeu, fechou, censurou e, principalmente,  deu ao guarda da esquina poderes imensuráveis para usar ratos, cobras, fios descapados, pau de arara, cadeira do dragão, tudo o que permitisse esvaziar o peito dos homens fardados de tanto ressentimento e incompreensão. Caetano, o eterno amigo de Gil, ficou tão triste na solidão do cárcere que só se consolava com a lembrança do sorriso da irmã Irene, que ria de maneira frouxa sem pedir licença a cada graça, gracinha, galhofa, chiste, paródia, história de menor valor, pelo prazer mesmo que a risada dá. Sabe-se que os guardas da esquina, que agora se aboletavam nos porões das instalações militares para torturar os “inimigos da Pátria”, também riam com as caras e bocas dos que penavam seus males por terem querido escavar o asfalto em busca da praia. Mas o riso dos soldados era um riso feio, grosso, forçado, como quem pragueja. Não há graça onde o que é mais caro padece e morre.

Gil saiu da prisão mas as perseguições eram tantas que ele teve de ir embora para outro lugar distante do calor de Salvador, da magia do Rio de Janeiro. E deixou uma canção para os que ficavam: “Aquele abraço”. Não ia pra esquecer nada, mas para esperar. E continuar aprendendo: “meu caminho pelo mundo, eu mesmo faço”, diz a letra da canção de exílio, sem sabiás, mas já com imensa saudade da banda de Ipanema.

Gil está vivo e é reverenciado. Caetano ainda faz das suas, emocionando por onde canta. Do tal Passarinho sem escrúpulos, quem conhece, quem se lembra? Do guarda da esquina e sua risada feia, quem acredita que ele um dia foi mau porque realmente achava que defendia um bem?

Esses dias vi o show do Emicida, AmarElo, e fiquei dizendo baixinho, na sala, já bem de madrugada: "evoé, novos artistas, aquele abraço!"

Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo. danielmedeiros.articulista@gmail.com   @profdanielmedeiros

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.