Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Leio a notícia de que, agora que não haverá mais coligação para as eleições proporcionais – de deputados e vereadores – os partidos estão em busca de mulheres para conseguirem formar os 30% de candidaturas femininas exigidos na regra eleitoral vigente. Esses 30% deverão legitimar os 70% de candidatos masculinos, segundo o raciocínio lógico. Mais uma vez a mulher é usada indevidamente e corre o risco de cair em problemas como o das candidaturas-laranja, registrado nas eleições passadas, quando algumas delas foram candidatas mas não fizeram campanha porque aceitaram a inscrição simplesmente para garantir as candidaturas masculinas do restante da chapa. É algo que precisa de urgente revisão até por uma questão e respeito à figura feminina, que não pode ser usada de maneira tão oportunista.

O ideal seria que tanto homens quanto mulheres tivessem a mesma densidade eleitoral e pudessem concorrer de igual para igual. Mas isso, apesar dos avanços recentes, ainda não ocorre. Dos 513 deputados federais apenas 77 são mulheres, isso porque nas ultimas eleições a vitória feminina cresceu 51%. Durante todo o período do Brasil redemocratizado – de 1986 até a legislatira passada - o número de deputadas federais oscilou entre 29 e 51. Em 1982 elegeram-se apenas oito e, retroativamente, quatro em 1978, uma em 1974 e 70, seis em 1966 e duas em 1962.  Não é através da força das cotas que se vai inserir a mulher na vida política, mas de uma série de atributos que a sociedade tem de agregar à vida delas. Isso já ocorre na educação e no mercado de trabalho e, se a legislação não atrapalhar, pode ainda se estender à política.

Todas as vezes que o governo, parlamentares ou segmentos da sociedade tentaram resolver problemas através de legislações restritivas, acabaram com os burros n’água. A cota de 30% das candidaturas para o sexo feminino não deve ter incentivado muitas eleições, mas gerou as candidatas-laranja que hoje são processadas na Justiça Eleitoral. Vale lembrar que as sucessivas regras criadas para evitar que candidatos ricos gastem seu próprio dinheiro em campanha e com isso prejudiquem os concorrentes pobres, provocaram como efeitos colaterais os mensalões e os escândalos hoje apurados pela Operaçao Lava Jato, pois a criatividade de governantes e políticos estabeleceu o sujo mercado da propina com dinheiro público em troca do voto parlamentar e de recursos para aplicar em campanhas. Hoje temos, com legado, uma norma estapafúrdia de custeio das eleições com dinheiro público.

É preciso acabar com os atalhos e improvisações. Tanto na política quanto na Educação, nos concursos públicos e onde quer que haja competição, a presença das cotas é perniciosa. Não resolve os problemas que determinaram sua criação mas, em contrapartida, pode criar outros ainda mais prejudicais... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.