Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Passadas as eleições e conhecidos os eleitos, chegou a hora do equilíbrio. É certo que, pelo resultado das urnas, o país passará por grandes transformações e, muito mais do que uma guinada da esquerda para a direita, terá de contar com o bom senso, tanto dos que entram quanto dos que saem ou já saíram da administração e da cena política. Não devem os eleitos e seus seguidores partir para medidas intempestivas e nem retaliadoras, assim como os  que saem (ou saíram) se apegar aos conceitos vencidos pela força das urnas e com isso tentar impedir o trabalho do novo governo. Todos nós – vencedores e vencidos -, enquanto cidadãos, temos um país para cuidar, cada um na sua posição, e o que mais precisamos é de paz e lucidez.

A nomeação de Sérgio Moro para a Justiça é uma grande esperança e tudo que se fizer contra é tentativa de impedir o avanço. Da mesma forma, a escolha de ministros sem a barganha por votos congressuais, tende a conferir mais respeitabilidade ao governo prestes a se instalar. Carecemos de paz para trabalhar e progredir. Espera-se que o Executivo tenha todas as condições e equilíbrio para atender as demandas do povo, o Legislativo seja capaz de exercer a sua tarefa de aperfeiçoamento legal e fiscalização sem subordinação ou interesses subalternos, e o Judiciário constitua aquele desejável poder moderador que garante a Constituição e o equilíbrio para o bom funcionamento dos outros poderes sem, contudo, usurpar-lhes as funções.

O momento é de virada de ciclo político-administrativo. São bem vindos os propósitos de reduzir o tamanho da máquina de governo e, principalmente, dela extirpar os cabos eleitorais, parentes e indicados de partidos e figurões, que pouco ou nada produzem mas pesam demasiadamente no orçamento. A Educação precisa ser desideologizada, a Saúde melhorada através de investimentos e procedimentos adequados e a voracidade tributária contida a níveis que não penalizem o contribuinte. A segurança pública, o sistema penal e os controles sociais devem ser ativos e também fugirem da ideologia, pois existem para servir e garantir o equilíbrio e a salubridade da vida da população.

Precisamos reconquistar o país confiante, justo e solidário, onde haja a prevalência do cidadão, onde militantes só existam nos partidos políticos e atuem nas áreas específicas. As repartições, os serviços, a sociedade e principalmente a rede de ensino devem estar permanentemente a serviço de toda a população, jamais de grupos...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.