Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Décadas atrás, o brasileiro que viajasse aos Estados Unidos ou Europa, tinha sua atenção chamada para o grande número de torres existentes nas cidades. Não só aquelas que se tornaram marcos das localidades onde se encontram e originalmente serviam para a emissão de sinais de rádio e televisão, mas dezenas, até centenas de outras de menor porte. Estas já serviam ao nascente telefone celular e a outros sistemas de comunicação. A chegada das torres ao Brasil, no começo dos anos 90, junto com a telefonia celular analógica, disputou o alto de prédios residenciais e comerciais e logo passou a investir em estruturas próprias que, por falta de tecnologia e adaptação ambiental, chegaram a causar acidentes e a amedrontar a vizinhança. O noticiário registra a queda de alguns dessas estruturas, especialmente no decorrer de tempestades com muito vento. Mas essa fase foi superada e hoje ninguém se incomoda com a torre vizinha.

Agora vemos que, além de base para a comunicação de diferentes níveis, a torres também se tornaram um bom negócio. Tanto que bancos e estrelas da economia nacional já nelas investiram e está chegando uma empresa sul-africana que já opera 24 mil torres em cinco países, tem escritórios na Inglaterra, Holanda, Emirados Árabes Unidos e Ilhas Maurício, interesses comerciais nos Estados Unidos, e acaba de investir  R$ 2,5 bilhões na aquisição de 2 mil torre no Brasil. O negócio das torres tornou-se atrativo frente à expectativa da chegada da telefonia 5G, que abrirá à rede para a chamada “internet das coisas”.

Apenas com a rede de 4G, já tivemos profundas alterações no formato de se fazer as coisas. As comunicações tornaram-se céleres e interativas – hoje o computador  faz ponte e “fala” com o rádio, a TV, o telefone, equipamentos hospitalares  e outros instrumentos – e o mundo, antes atingível só através de longas e caras viagens, é acessado no simples apertar de teclas. Os processos industriais se automatizaram e a tecnologia ruma para a chamada inteligência artificial. Saúde, educação, lazer, , mercado,mobilidade e tantas outras coisas passaram a ser elementos da rede e, em última análise, dependente das torres. Logo, com a internet 50 vezes mais rápida que atualmente, finalmente estará disponível e cada vez mais acessível a sonhada “casa inteligente”, onde o morador acessa recursos através do smartphone e, quanto chega, tudo já está pronto para o uso. Isso sem falar do aparato de vigilância eletrônica e segurança do patrimônio. Isso também vale para a sede da empresa e dos negócios.

O Brasil é, sem dúvida, um grande celeiro de tecnologia e oportunidades. É preciso agora que governos e lideranças de todos os setores se interessem em colocar esse arsenal a serviço da população. Não podemos continuar vivendo como a Belíndia (mistura da pequena e desenvolvida Bélgica e com a grande e atrasada Índia), citada pelo economista Edmar Bacha no seu ensaio de 1974. Até porque a própria Índia, apesar dos seus problemas, se desenvolve e constitui um importante país emergente...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.