Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Especialista em Direito Eleitoral alerta para a nova regra para o registro de candidaturas

Passadas as convenções partidárias, a corrida eleitoral agora vive outra fase: a do registro das candidaturas. É com a validação desse processo que os candidatos podem iniciar as suas campanhas. Porém, neste ano, os partidos devem se atentar a uma nova regra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que diz respeito aos Demonstrativos de Regularidade de Atos Partidários (DRAP).

O professor da Pós-Graduação em Direito Eleitoral da Universidade Estadual de Londrina, Guilherme Gonçalves, especialista em Direito Eleitoral, explica que no último domingo (27), começou oficialmente o período de campanha eleitoral pela internet. No entanto, o candidato que não fez o registro de candidatura até sábado (26) não terá validada a sua disputa, que depende desta etapa e, também, do CNPJ e da conta da campanha. O candidato que não cumprir esses requisitos, não poderá dar sequência ao pleito.

“A precocidade de registro facilita para que o candidato comece a campanha eleitoral já com a sua candidatura com condições de ter validade e, portanto, legitimar os votos que receberá no dia da votação”, esclarece Gonçalves.

O DRAP é um extrato comprobatório de que todas as condições para a legalização das convenções foram respeitadas. A inexistência do DRAP acarreta automática invalidação das candidaturas de todos os candidatos daquele partido, não importando o registro individual.

O especialista chama a atenção para outro ponto. Com o fim das coligações proporcionais, todos os partidos que lançarem candidatura majoritária deverão apresentar dois DRAPs, sendo um para o executivo e outro para os candidatos proporcionais. Os partidos que lançarem somente vereadores, ainda assim, têm a obrigatoriedade de apresentar um DRAP próprio.

“Nunca tivemos situação semelhante, com tantos DRAPs, porque antes se podia fazer um DRAP só para uma coligação majoritária de vários partidos e um DRAP para a coligação proporcional de vários partidos. Agora não. Neste ano todos os partidos que querem lançar candidatos terão que emitir pelo menos um DRAP”, esclareceu.

Guilherme Gonçalves, professor da Pós-Graduação em Direito Eleitoral da Universidade Estadual de Londrina – (Grasiani Jacomini  - AIs. Comunicação e Estratégia)

 
#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.