Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Já são 19 as capitais brasileiras que suspenderam as festas de reveilon e outros eventos com a possibilidade de aglomeração, em função da chegada da variante Ômicron do coronavírus que, na quinta-feira, já mostrava três casos confirmados em São Paulo e dois no Distrito Federal. Em se tratando de eventos para se realizarem entre os próximos 20 e 30 dias, a definição é importante, não só por razão sanitária, mas também econômica. Quem os promove, avisado a tempo, consegue evitar investimentos e preparativos que, não realizadas as festas, se configuram em prejuízo total.

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB) afirma proibiu as festas em atendimento às recomendações da Vigilância Sanitária, que também aconselhou continuar a utilização obrigatória da máscara em todos os ambientes. Recorde-se que, antes de conhecida a nova cepa do vírus e a sua chegada ao país, havia a expectativa de abolir o uso do protetor buco-nasal. Agora será aguardada uma nova avaliação técnica a respeito, prevista para o final do mês.

Muitos são os prefeitos que, ao mesmo tempo suspenderam as festas de Natal e passagem do ano, e anunciaram o cancelamento do Carnaval de 2022, previsto pelo calendário para 1º de março. Nunes, no entanto, prefere não decidir sobre o Carnaval com tanta antecedência e diz que sua determinação levará em consideração os fatores concretos da pandemia, especialmente o número de novos infectados, internados e mortos. Rejeita pressões tanto dos contrários quanto dos favoráveis à realização dos festejos, dizendo que o poder público tem de agir sobre bases concretas, jamais por suposições.

Tratar do Carnaval realmente exige cuidado. Além do seu aspecto festivo e de ser o maior evento popular do Brasil – já que acontece em toda parte – sua realização movimenta a economia. Levantamentos de órgãos oficiais e de classe informam que em 2020,  último ano em que o Carnaval ocorreu a plena carga, sua realização produziu 25,4 mil vagas temporárias para ocupações entre janeiro e fevereiro. O evento movimenta setores ligados ao turismo, como alimentação (garçons, barmen, copeiros, cozinheiros e outros auxiliares de cozinha), transportes e hotelaria, atividades artísticas e de lazer, e agências de viagens, sem contar bordadeiras, fabricantes de fantasias, estamparias, serralheiros, soldadores, marceneiros, eletricistas, borracheiros, mecânicos, engenheiros e demais atividades relacionadas diretamente aos desfiles de escolas de samba e blocos.

Numa melhor definição, nesse momento não se deve considerar os aspectos sociais e até econômicos. Precisamos da observação dos cientistas que controlam a pandemia para depois decidir o que fazer tanto do Carnaval quanto de outros eventos, comportamentos e práticas. Depois do trauma de termos perdido mais de 600 mil irmãos brasileiros e dos esforço que a população empreendeu para se proteger, vacinar-se e evitar o mal,  não podemos abrir as portas para a entrada de uma nova onda do coronavírus. É preciso que toda a experiência e o conhecimento adquiridos sejam empregados para evitar a sua realimentação. E – muito importante – que os políticos não repitam o espetáculo deprimente que exibiram à Nação através da politização da crise sanitária. Eles precisam respeitar o sofrimento do povo e jamais dele tentar buscar votos. 

Para o povo, nunca é demais lembrar que se manter a salvo é o interesse de cada cidadão. Melhor do que receber um bom tratamento que preserve a vida é não adoecer e poder continuar cada um em sua atividade, mesmo com o desconforto das restrições que possam ser adotadas e resultem em segurança contra a contaminação. No próprio interesse, preste atenção na evolução dos casos da variante Ômicron em nosso país e na evolução de novos casos, internações e óbitos. Proteja-se. Essa é a melhor contribuição que cada um pode oferecer.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.