Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A notícia de que o novo projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LOI) aumentava de R$ 1,9 bilhão para cerca de R$ 5,7 bilhões as verbas destinadas para o Fundo Eleitoral Partidário, carinhosamente apelidado de fundão eleitoral, abalaram as estruturas do país.

Não preciso dizer o quão estapafúrdia essa decisão é. Os números falam por si. Em plena pandemia, quando os recursos da saúde estão cada vez mais escassos e o desemprego atinge 15 milhões de pessoas – sem contar os milhões em situação de insegurança alimentar no Brasil – essa decisão dos políticos de Brasília causam escárnio. Quando achamos que nada mais poderia nos surpreender, vem essa medida!

E para onde iria esse mundo de dinheiro? Uma parte substancial iria para os partidos nanicos. Sim, aqueles que surgiram não sabemos de onde e que parecem servir o mesmo propósito: tapar buracos de candidaturas e embolsar o dinheiro do fundão. Nada além disso.

É uma piada absolutamente sem graça. A mesma LDO prevê aumento do salário mínimo de apenas 5%, enquanto os cofres do fundão incham 200%. Além disso, também há as propagandas eleitorais gratuitas, que deixarão de ser gratuitas pois as emissoras de TV ficarão isentas de impostos, e com isso o tesouro reduz suas receitas, prejudicando toda a população. Trata-se de um dos maiores insultos aos brasileiros em anos.

O pior de tudo é que quem votou a favor dessa medida agora esconde, disfarça e diz que é contra. Diversos partidos importantes, inclusive alguns que já comandaram o país, levariam uma enorme fatia desse bolo. Isso não é tudo. O Senado ainda disponibilizará R$ 527 milhões para os partidos, antes mesmo das convenções. Além disso, há um projeto em tramitação que permite candidaturas de gestores públicos com contas reprovadas. Isso é um golpe e tanto na Lei da Ficha Limpa.

Dezenas de milhares de brasileiros estão neste momento em UTIs lutando pela vida. Milhões de outros estão sem trabalho e podem não ter ao menos uma refeição no dia. Mas os políticos não sentem vergonha e tomam uma decisão como essas.

Sim, a medida pode ser vetada pelo presidente. Mas será mesmo? Já fui mais otimista. Afinal, o jogo político é sujo e cheio de armadinhas.

Antonio Tuccilio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP) - (Ana Livia Lopes/Asimp)

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.