Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

“O Brasil precisa explorar com urgência a sua riqueza – porque a pobreza não aguenta mais ser explorada” (Max Nunes)

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou na semana que passou os resultados do estudo “Os efeitos do Programa Bolsa Família (PBF) sobre a pobreza e a desigualdade: Um balanço dos primeiros 15 anos”.

De autoria dos pesquisadores Pedro H. G. Ferreira de Souza, Rafael Guerreiro Osorio, Luis Henrique Paiva e Sergei Soares, o documento tem como base os dados da Pesquisa Anual por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2001 a 2017, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A conclusão do estudo é um cala boca nos críticos do programa que, especialmente na época das campanhas eleitorais, disseminam informações falsas sobre os resultados e beneficiários.

A verdade é que o Bolsa Família foi responsável pela redução de 15% da pobreza e de 25% da extrema pobreza entre os beneficiários. Em 2017, as transferências do PBF retiraram 3,4 milhões de pessoas da pobreza extrema e 3,2 milhões da pobreza.

É o programa de transferência pública que mais alcança a população pobre no Brasil, já que cerca de 70% dos recursos do programa alcançaram os 20% mais pobres.

“O Bolsa Família também responde por 10% de redução da desigualdade no Brasil, entre 2001 e 2015. Esse impacto é relevante, tendo em vista o baixo custo do programa, de apenas 0,5% no Produto Interno Bruto (PIB)”, diz o pesquisador do Ipea Pedro Ferreira de Souza.

A análise dos impactos gerados pelo programa de transferência de renda feita pelo Ipea foi baseada em dados da Pesquisa Anual por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2001 a 2017, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Bolsa Família foi criado em 2003, congregando vários programas (Bolsa Escola Nacional, Bolsa Alimentação, Auxílio Gás e Cartão Alimentação). O programa expandiu-se rapidamente em seus primeiros anos. O número de famílias beneficiárias saltou de cerca de 6 milhões em 2004 para algo em torno de 11 milhões em 2006. A partir de então, a cobertura cresceu de forma mais gradual até atingir 14 milhões de famílias em 2014, patamar no qual o programa permanece, com oscilações temporárias.

De todo modo, quase 14 milhões de famílias beneficiárias abarcam mais de um quinto da população brasileira. O tamanho do PBF permite a cobertura de grande parte da população pobre e vulnerável e é um dos principais fatores do seu êxito, diz o documento.

Em termos orçamentários, as transferências de renda são modestas, mostra o estudo. No caso brasileiro, em 2016, as despesas do PBF alcançaram 0,44% do produto interno bruto (PIB). Essa porcentagem é superior a 0,33% observado em média em países latino-americanos em 2015, mas, ainda assim, pode ser considerada baixa: é, por exemplo, quase trinta vezes inferior às despesas previdenciárias.

O Bolsa Família tem sido fundamental para a redução da pobreza no país. Desde a sua consolidação, o programa Bolsa Família reduz tanto a pobreza quanto a pobreza extrema em algo entre 1 ponto percentual e 1,5 ponto percentual, o que, em 2017, significou uma redução de cerca de 15% no número de pobres e mais de 25% no número de extremamente pobres.

Esses números significam que, em 2017, mais de 3,4 milhões de pessoas deixaram de viver em pobreza extrema por causa do PBF, e 3,2 milhões foram elevadas acima da linha de pobreza, afirma o levantamento.

Segundo a pesquisa, em 2017, 4,9% da população vivia em extrema pobreza. Sem o programa, esse percentual seria de 6,6.

O estudo mostra que o Bolsa Família não é suficiente para tirar da pobreza todos os beneficiários. Nada menos que 64% dos beneficiários que estavam extremamente pobres antes do PBF permaneceram nesta mesma condição depois da transferência.

“A permanência na pobreza após a transferência, salvo erros na declaração dos valores de renda (própria e transferida), só pode ser explicada pelo problema do valor médio transferido, que continua sendo insuficiente para muitas famílias”, revela o documento.

Para os pesquisadores, o que impede o PBF de ter um efeito redistributivo ainda maior é o fato de suas transferências terem valores baixos. “O programa é muito bem focalizado e já contribui significativamente para a redução da pobreza e da desigualdade, mas essa contribuição poderia ser bem maior caso o orçamento destinado ao programa fosse mais expressivo”.

Hoje, a média do valor pago pelo governo a cada família é de R$ 180.

Para este ano, o montante total do programa será próximo de R$ 30 bilhões. Mas representa menos de 0,5% do PIB. Em 2019, pela primeira vez, vai ser pago um 13º às famílias, por decisão do presidente Bolsonaro.

A conclusão do estudo é que, além de expandir o número de beneficiários, o governo federal deveria aumentar o valor pago.

“Em última instância, o que impede que o PBF seja mais eficaz no combate à pobreza e à desigualdade é o valor modesto dos benefícios. Como o orçamento do PBF ainda é muito pequeno quando comparado ao universo de despesas do governo federal, a decisão quanto a reajustes reflete mais prioridades políticas que restrições fiscais propriamente ditas”, concluem os pesquisadores.

A questão é: persistindo a elevada taxa de desemprego conseguiremos manter esse avanço no combate à desigualdade?

Luiz Claudio Romanelli, advogado e especialista em gestão urbana, é deputado estadual pelo PSB do Paraná.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.