Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Os poucos oásis que temos em pesquisa matemática não seriam motivo para nosso desalento, mesmo sabendo que não é diferente em outros países em desenvolvimento, se um dos grandes males que verdadeiramente nos acometem não fosse a cultura de pouca valorização à Matemática e à têmpera racional da mente, como também pouco valorizamos o mérito, o esforço e o bom rendimento escolar.
Contribuem para esse cenário as seduções do mundo digital, de conteúdo geralmente fútil, quando não pernicioso, que contribui para que a maioria de nossas crianças e adolescentes tenha preguiça de pensar, não mergulhando fundo nos conteúdos, consequentemente resultando no aprendizado fast-food, fugaz: aprende rápido e esquece rápido.

Contudo, em tempos da eclosão da inteligência artificial, algoritmos, mineração de dados e da 4ª Revolução Industrial, nunca se deu tanto valor para o profissional com boa capacidade de raciocínio, capaz de tomar decisões lógicas (“resolvedor” de problemas) e com bom domínio das ciências dos números.

Todavia, todas as avaliações nacionais ou internacionais corroboram com a assertiva de que não temos uma cultura de valorização das Ciências Exatas. No último Saeb, por exemplo, apenas 9,1% dos concluintes do Ensino Médio apresentaram aprendizado adequado dos conteúdos de Matemática. Ademais, entre 78 países participantes do último Pisa nos posicionamos na 71ª colocação em Matemática, o pior resultado dos países latino-americanos participantes, ou seja, atrás de Uruguai, Chile, Peru, Colômbia e Argentina.

O Pisa revelou, também, que 68,1% dos nossos adolescentes de 15 anos de idade não possuem nível básico em Matemática, considerado o mínimo necessário para o exercício pleno da cidadania. A próxima aplicação do Pisa, em 2021, será com ênfase em Matemática, uma vez que, mesmo poucos sabendo, a cada aplicação se dá alternadamente ênfase a um dos três domínios – Leitura, Ciência e Matemática.

Destarte vale o alerta: é tempo, é hora de uma capacitação de nossos discentes e docentes, para buscarmos um ponto de inflexão nos desempenhos escolar e acadêmico que, historicamente, apresentam uma curva descendente. Nesse sentido, o INEP/MEC já se comprometeu em preparar um material na forma de pré-testes, com foco em conteúdos matemáticos, que será disponibilizado às escolas.

Para uma evolução crescente e sustentável, é necessário compreender que é com muito esforço que se aprende a raciocinar, além de ser uma atividade praticamente solitária. Para muitos, a Matemática é vista como uma ciência lúgubre, sinistra, abstrata e com cara de poucos amigos. Por isso mesmo, em tom jocoso, se diz que a Matemática não se aprende só com cérebro, mas também com as nádegas: é preciso uma cadeira, uma mesa, folhas de rascunhos (ou algum equivalente tecnológico), um ambiente silente e, antes de tudo, disciplina e boa disposição para resolver problemas mais complexos.

Ainda que a Matemática seja a "rainha e serva de todas as ciências", pois não há ciência sem fundamentação matemática, seguramente tem o condão de desenvolver a têmpera racional da mente. Todos os que sobre ela se debruçaram intensamente por ela se apaixonaram. É um "mundo de infinita harmonia", nas palavras do escritor Ernesto Sábato.

Quando em visita ao Brasil, Howard Gardner – psicólogo cognitivo, professor de Harvard, autor da Teoria das Inteligências Múltiplas – ministrou palestra (a qual tive o privilégio de assistir) sobre o espectro das nove inteligências por ele propostas. Ao ser indagado sobre as mais valorizadas para o mercado de trabalho, Gardner foi enfático: “É a combinação da união do pensamento lógico com a capacidade de lidar com as pessoas”. Assim, desenvolver na criança e no adolescente a inteligência lógico-matemática é papel preponderante dos pais e professores.
Em relação ao desempenho historicamente ruim de estudantes da Educação Básica, um bom alento advém da Implantação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), já no decurso de 2020 para o Ensino Fundamental e a partir de 2022 para o Ensino Médio. Luzes e esperanças estão sendo lançadas, pois entre outras habilidades está a ênfase ao raciocínio lógico, assim espera-se relegar às calendas gregas o ensino essencialmente conteudista, afeito a memorizações e hermeticamente dividido em disciplinas.

Jacir J. Venturi, formado em Matemática e Engenharia, autor dos livros Álgebra Vetorial e Geometria Analítica (10.ª edição) e Cônicas e Quádricas (5.ª edição). Foi professor e diretor de escolas públicas e privadas - jacirventuri@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.