Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios. Nessa mesma linha, ousamos dizer que a definição também se faz necessária para a fixação dos limites de atuação de Executivo, Legislativo e Judiciário, hoje comparado a um insano cabo-de-guerra, onde o Judiciário é provocado a se imiscuir em questões que não são suas e (o pior) seus operadores aceitam a tarefa.

Não obstante o intenso proselitismo democrático mantido como prática política nas ultimas três décadas, só conseguimos alcançar nesse período um regime imperfeito onde os poderes se mostram autofágicos e cada dia são menos respeitados pela população que não vê  neles a sua representação. Décadas atrás, sob o argumento de combater a corrupção sistêmica nos grotões, o governo central chamou para si o principal das arrecadações e nem todo o discurso liberalizante empregado após 1985 – quando os civis voltaram ao governo – foi suficiente para devolver ou estabelecer o equilíbrio tributário entre os três níveis. A União continua dona da parte do leão, os Estados a chantageiam para poderem se equilibrar e os municípios vivem de chapéu na mão. Migalhas foram distribuídas, mas não a sustentabilidade de partilha do bolo tributário. Esse continua desigual e depositado em Brasília. Muito do que os municípios recebem como direito legítimo acaba vindo com o rótulo de benesse ou, até, de favor político prestado por rufiões eleitoreiros.

Como bem prega o prof. Mattos Filho, é preciso estender a realidade tributária a todos os entes federados. Os administradores de Estados e Municípios precisam ter informações (e consciência) da realidade tributária da porção territorial sob sua responsabilidade e liberdade para, dentro do ordenamento jurídico, buscar o melhor desempenho e a mais justa aplicação dos recursos arrecadados em benefício da comunidade. Afinal, o dinheiro dos impostos é público e sua destinação é manter a máquina estatal e a prestação de serviços à comunidade. Para evitar a volta ao quadro de corrupção do passado, todos os repasses da União e do Estado deve vir carimbado para sua destinação, assim como os recursos instituídos para arrecadação própria tem de conter finalidade obrigatória e, quando sobrarem, só poderem ser transpostos a outros fins mediante autorização da Câmara dos Vereadores (que representa o povo). 

Oxalá, um dia, cheguemos ao nível de o governador e o prefeito poderem discutir com a população as aliquotas de impostos a arrecadar e a sua finalidade. Quando isso ocorrer, certamente teremos uma comunidade mais interessada nas coisas públicas (porque poderá participar da montagem dos cenários) e, gradativamente, começarão a baixar as abstenções e os votos nulos e brandos que têm crescido de forma preocupante nas últimas eleições. Esse, sem dúvida, é o caminho da normalidade e do desenvolvimento, que precisamos trilhar.

Precisamos, urgentemente, implantar a federação, com direitos e obrigações claramente definidos a cada um dos entes federados. Não podem ficar à mercê e ao sabor dos interesses políticos (ou até subalternos) de quem quer que seja. Queremos as instituições funcionando de acordo com a estrutura que a Carta Magna lhes outorgou e em regime de respeito mútuo. Legislativo legislando, Executivo executando e Judiciário julgando. Sem qualquer novação ou tentação autoritária ou intervencionista. Sem esse equilíbrio e civilidade, não iremos a lugar algum...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.