Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Fala-se na possibilidade de termos onze ou doze candidatos à presidência da República em 2022. Mas, se analisado pelo simples critério da possibilidade legal, poderiam ser até 33 concorrentes, pois este é o número de partidos registrados e desembaraçados junto ao Tribunal Superior Eleitoral. Essa diversidade de postulação em nada favorece o processo, tanto que há também quem reclame da impossibilidade das candidaturas avulsas, sem filiação partidária. Aquelas em que o cidadão não representa ninguém,  pois é candidato de si próprio. Nada é mais frágil no atual quadro do que a pretendida terceira via teoricamente pretendida pelo ex-juiz Sérgio Moro e pelo governador de São Paulo, João Dória, que evitam conversar sobre um deles abrir mão e apoiar o outro. É esse personalismo e excessiva autovalorização que tornam praticamente natimorta a alernativa aos dois polarizados de direita (Bolsonaro) e esquerda (Lula). Outros supostos dissidentes do binário dominante também não desistirão e poderão se apresentar como candidatos inviáveis desde o lançamento, mas presentes nas urnas.

Não é preciso observar que a falta de articulação entre os ditos dissidentes favorece aos líderes polarizados que, mais uma vez, farão o segundo turno. E o quadro mostra apenas uma desconfortável verdade: os partidos políticos abrem a possibilidade burocrática, mas não sustentam candidaturas. São a cristalização de algo que, ao longo dos anos, foi engendrado para favorecer quem já estava no poder e os grupos articulados da política, independente de partido ou ideologia. É por isso que Bolsonaro reúne a direita e Lula a esquerda e ambos buscam beliscar o mais que puderem do centro. E, para isso, é preciso negociar a única moeda presente no momento de expectativa, ou seja, a part icipação no futuro governo e, até, o controle de importantes setores estatais.

Os partidos restringem-se a ser “cartórios” para a oficialização de candidaturas e para executar essa tarefa são muito bem remunerados pelas polpudas verbas do fundo partidário e do fundão eleitoral, que os tornam presas de políticos fracassados ou nem decolados, que vivem à sua sombra ou até a custas. Melhor seria que atuassem como verdadeiros clubes, sustentados pela anuidade de seus filiados e fossem atuantes definidores de ações e estratégias políticas. Jamais deveriam ter donos para gozar de seus recursos (públicos) e nem para potencializar negociações fora dos objetivos partidários.

É a falta de representatividade que levou muitos dos partidos à inexistência e até à extinção mediante a fusão com dois, três ou outros mais que também enfrentavam dificuldades de sobrevivência. De outro lado, observemos que quando o partido tenta se impor, é podado pelo seu filiado que se encontra no poder, pois essa não é a expectativa que os filiados fazem sobre a agremiação. O próprio presidente Bolsonaro deixou o PSL quando seus líderes tentaram interferir no governo, e tomou muito cuidado para recentemente optar pela filiação ao PL, seu atual partido. Deve ter imposto suas condições, a principal delas, o partido não meter-se no governo. Já, o Partido dos Trabalhadores, com grande vida orgânica antes de chegar ao poder, teve participação ativa nos tempos de Lula e Dilma, a ponto de ter se envolvido nos atos de corrupção que derrubaram o governo.

Os interessados na reforma do Estado – que são necessárias – não podem esquecer da conveniência de, nas alterações da estrutura política, rever o instituto da reeleição para cargos executivos (criada para favorecer quem estava no poder) e o segundo turno (que potencializa os grandes e impede que alguém dispare sazonalmente). Todas as artimanhas criadas para fragilizar a disputa e o surgimento de novas lideranças devem ser removidas e os partidos normatizados e estruturalmente fortalecidos para não serem apenas os catalizadores das verbas dos fundões e se tornarem efetivas máquinas de prática política. Sem reformas desse padrão, a democracia brasileira nunca deixará de ser r elativa, como é e sempre foi...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.