Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O domingo, 3 de outubro, oportunizou boas reflexões. Estamos a menos de um ano das próximas eleições – de presidente da República, governadores estaduais, senadores e deputados federais e estaduais, a chamada “eleição geral”, marcada para 2 de outubro de 2022. O 3 de outubro é significativo na vida brasileira. Foi nessa data que eclodiu a Revolução de 1930, sepultando a República Velha – das oligarquias – e levando ao poder Getúlio Vargas, que lá permaneceu por 15 anos, sendo os iniciais como governo provisório e os oito finais na condição de ditadura declarada. Mas, independente da forma que se constituiu o poder, o período foi de grandes transformações decorrentes do imperativo local e da 2ª Guerra Mundial.

Foi na chamada Era Vargas que se criou a Justiça Eleitoral e com ela o voto feminino e universal com sigilo garantido pela estrutura. Três de outubro foi fixado como dias das eleições – e assim permaneceu até meados dos anos 60, em referência ao ponto de partida do Movimento  de 30 e sob a justificativa de que a Constituição de então determinava a posse dos eleitos 90 dias após a eleição; como esse é o exato intervalo entre o terceiro dia de outubro e o primeiro de janeiro – data em que os eleitos assumem - assim ficou estabelecido. Diferente de hoje, quando a Lei das Eleições (nº 9504/97) determina a votação no primeiro domingo de outubro.

Nesse momento da vida nacional, temos a incômoda polarização política, que leva as partes a extremos e ao arrepio da ética e do bom senso. Ataques, versões e ilações povoam o cenário político e – em vez de ajudar – deslustram a imagem do político. Depois de tantas escaramuças entre os opostos, o povo foi estimulado a ir às ruas em 7 de setembro (a favor do governo) e em 12 daquele mês e no último sábado, 2 de outubro, em atos da oposição. Todos reconhecem que os oposicionistas não lograram êxito, mas buscam legitimamente  justificativas e a polarização continua.

Na minha trajetória de sete décadas encontrei o Brasil democrático – do período 1945-64 - onde a esquerda lutava para chegar ao poder e acabou assumindo através do vice-presidente João Goulart (1961/64), que cedeu às pressões dos aliados e esticou a corda além do possível, não conseguindo terminar o mandato herdado de Jânio Quadros, que renunciou. Vieram os 21 anos de governo militar – hoje catalogados como ditadura mas na época autoclassificados como democráticos – e, a partir de 1985, o período democrático mais longo da história brasileira que sobrevive até hoje, à duras penas e com muitas desinteligências e interrogações.

A esquerda, presente há um século na política brasileira, construiu toda sua trajetória sobre o discurso moralista que prometia austeridade administrativa e igualdade a todos. Conheci alguns próceres dessa narrativa, inclusive o seu exponte Luiz Carlos Prestes (no fim de sua vida). Finalmente, a tendência chegou ao poder parcialmente em 1994 com FHC e completamente em 2003 através de Lula. Mas os líderes – e principalmente os aliados e colaboradores – não souberam concretizar o discurso vindo desde o tempo do velho PCB. Os acontecimentos das últimas décadas – que não precisamos aqui repetir - motivaram explosivos inquéritos, processos, prisões e afastamentos da vida pública. No poder, os esquerdistas não conseguiram concretizar os sonhos pregados por quase um século e hoje correm do prejuízo,  lutando pela recuperação da imagem desgastada. A direita, por sua vez, faz tudo para demonstrar que muda o quadro e corrige velhos defeitos. Muitos dos políticos e membros da estrutura institucional parece ainda não terem compreendido o momento delicado por que passamos e realizam incursões perigosas. Todos hão de compreender que o povo hoje dispõe de veículos de comunicação e de estruturas a que podem recorrer para obter informações fidedignas sobre aqueles em quem pretende votar. Ficou mais difícil enganar.

Temos um grande país, com recursos, clima, território e oportunidade de evoluir como potência mundial. Mas é preciso muito juízo para evitar colocar tudo a perder e, por interesses subalternos ou de grupos, permitir que a nossa vez seja assumida por outros mais organizados e menos belicosos entre si...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.