Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A lei de cotas garante à pessoa com deficiência, seja ela física, mental ou intelectual, o seu espaço no mercado de trabalho. As empresas devem cumprir a obrigatoriedade em porcentagens de acordo com o número de funcionários contratados, conforme a Lei Brasileira de Inclusão (Lei nº 13.146).

Mais que uma obrigatoriedade, incluir pessoas com deficiência é responsabilidade e comprometimento no suporte e desenvolvimento delas nas atividades laborais. É aprendizado também para a equipe que recebe, pois aprenderá a lidar com a diferença. Por isso, não é somente uma inclusão para cumprir cota. É uma via de mão dupla, onde ambas as partes serão beneficiadas, tanto a pessoa contratada quanto a empresa e os colegas de trabalho.

São João Paulo II, em 1981, celebrando o Dia Mundial da Paz, recordou as iniciativas do "Ano Internacional das Pessoas Deficientes", invocando particulares cuidados para a solução dos seus graves problema. Enfatizou o convite a que se tome a peito a sorte desses irmãos. Sua Santidade animava as várias iniciativas, incitando sobretudo os filhos da Igreja Católica a darem exemplo da generosidade total.

Com esse propósito, o departamento de Recursos Humanos da Fundação João Paulo II/Canção Nova, tem buscado, de forma efetiva, a inclusão da pessoa com deficiência no seu quadro de colaboradores, tendo como prioridade um olhar atento ao seu desenvolvimento global, conforme orienta a Lei Brasileira de Inclusão, e a Santa Sé sobre todos aqueles que se dedicam ao serviço à pessoa com deficiência. Assumindo, assim, seu compromisso com a promoção e o desenvolvimento humano, através do trabalho.

Sendo assim, é feita uma busca dos candidatos interessados nas diversas áreas e frentes de trabalho, bem como o contato com entidades que trabalham e promovem o desenvolvimento da pessoa com deficiência. Um exemplo a ressaltar é a APAE e os familiares, que confiam seus alunos e filhos para trabalharem nesta Instituição.

Os candidatos selecionados para as diversas áreas de atuação desenvolvem um trabalho com esmero, comprometimento e responsabilidade e, passando pela experiência na instituição, se preparam profissionalmente para continuarem trabalhando nela ou saem capacitados para buscarem outras oportunidades no mercado de trabalho.

Acompanhar as pessoas e observar nelas o crescimento profissional, as habilidades que desenvolvem nesse caminho é muito gratificante. Não fazemos nada além da nossa missão, pois todos nós humanos nos encontramos nesta mesma condição, e precisamos uns dos outros para nos desenvolvermos. Na Canção Nova, não se permite parar nas limitações e este tem sido o nosso trabalho de inclusão. Monsenhor Jonas Abib diz: “Somos profissionais em contínuo aperfeiçoamento.” 

Evanira Maria Satim Palmeira é  missionária da Comunidade Canção Nova e psicóloga Organizacional da Fundação João Paulo II - FJPII

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.