Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Muitos falam sobre a juventude; uns dizem que é uma fase transitória, outros que os jovens são os responsáveis pelo futuro, projetando neles um mundo que ainda nem existe, ou, ainda, julgam que são descompromissados e precisam amadurecer muito. Isso pode até ser real em algumas situações, pois o jovem de hoje, com certeza, será o adulto de amanhã, porém, se pararmos para pensar, o que temos de mais concreto é que jovens são o presente, são o que temos de mais atual, são os protagonistas do tempo que está cada vez mais acelerado e conectado, e isso se torna cada vez mais evidente.

A mais antiga Instituição do mundo, Igreja Católica, com cerca de dois mil anos de existência, percebeu que era necessário compreender a juventude, e se aprofundar neste tema sem receios. Direcionada pelo papa Francisco, convocou um sínodo, momento profundo de reunião e diálogo sobre um tema específico, para este mês de outubro. Bispos do mundo inteiro se reunirão em Roma para falar exclusivamente sobre: Os Jovens, a fé e o discernimento vocacional.

O próprio papa disse: “Os jovens devem ser levados a sério! Parece-me que estamos envolvidos por uma cultura que, se por um lado idolatra a juventude procurando nunca a fazer passar, por outro impede que muitos jovens sejam protagonistas. [...] O Sínodo será também um apelo dirigido à Igreja, para que redescubra um renovado dinamismo juvenil. [...] Nós precisamos de jovens profetas.” Percebemos que sua voz de Pastor ressalta uma visão ampla de um trabalho que a Igreja se dispôs a fazer nestes últimos tempos: ouvir os jovens e acreditar neles.

Eu fui convidado a estar num destes momentos tão importantes e históricos nesse trajeto que a Igreja vêm fazendo. Em março, deste ano, estive na reunião pré-sinodal em Roma, onde cerca de 300 jovens de todo o mundo, de diversas religiões e culturas, se reuniram para dizer de como gostariam de ser vistos pela Igreja.

Nos ofereceram durante uma semana inteira um ambiente muito favorável, onde pudemos dizer dos nossos anseios, medos, sonhos e ideais de um mundo melhor. Todas as vezes que me recordo dessa experiência, sinto, primeiramente, um acolhimento muito grande por parte da Santa Sé. Ali compreendi o quanto somos vistos e amados pela Igreja, que, de fato, se importa com a juventude, gasta tempo com os jovens e percebe neles uma oportunidade de diálogo e crescimento. Ali pudemos dizer tudo o que estava em nossos corações; ser jovens, tanto na hora de falar sério sobre nossas preocupações, quanto na hora de dançar e fazer festa. Ali eu compreendi: a Igreja é jovem, há jovens na Igreja, há vida, há esperança para a juventude.

E, partindo dessa experiência, destaco pontos muito importantes: o primeiro deles é o acolhimento à juventude, pois desejamos ser acolhidos como jovens. Queremos contribuir para um mundo melhor, e será nele que viveremos por longos anos. Destaco também a fé, e, neste ponto, é muito importante compreendermos que a juventude de hoje carece de uma atenção específica, pois precisa até mesmo de catequese, de uma compreensão verdadeira sobre Deus e seu Amor por nós. Não tenha medo de ajudar um jovem a se aprofundar na fé. Faça isso de forma criativa e generosa, pois o coração do jovem é sedento por conhecimento, é um terreno fértil para que o Evangelho se torne vida.

Ressalto o tema vocação, que é um tabu para muitos, pois acham que o assunto diz respeito somente a quem quer ser padre ou freira, e acabam se esquecendo que todos temos uma bela vocação a realizar neste mundo, uma vocação que foi dada por Deus e cabe a cada um vivê-la com alegria.

Posso dizer que os sorrisos que vi no rosto de muitos missionários me fizeram buscar o sentido do sorriso que eu também queria ter diariamente, e, nessa descoberta, encontrei também minha vocação, e fui muito bem orientado por pessoas que entenderam meus anseios e me levaram a compreender que a decisão era minha. Digo sem receio: nós jovens temos o coração muito aberto, e às vezes só precisamos que alguém nos ouça, nos entusiasme com coragem e acredite em nós, em nosso potencial de juventude.

Tenho certeza de que este grande trajeto Sinodal, de indicar à juventude um caminho de fé e discernimento, irá ajudar a muitos na caminhada constante para a descoberta de um verdadeiro sentido de vida e diálogo entre as gerações. Não há dúvidas que o papa e os bispos estão nos indicando a face jovem da Igreja, que não se aparta das realidades atuais e que promove o intercâmbio de ideais. Agora, cabe a cada um de nós assumir a responsabilidade e cooperar nesta bela trajetória de comunhão e responsabilidade com a juventude. Temos muitos jovens profetas espalhados nos mais diversos lugares, ouçamos então suas vozes e permitamos que seus sonhos também nos façam sonhar com um mundo melhor.

Thulio Fonseca é missionário da Comunidade Canção Nova

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.