Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O auge da crise atinge os Estados Unidos. Os desempregados e desassistidos vagam de um lado para o outro. Ninguém poderia imaginar que a crise pudesse ser tão profunda e provocar a paralização de parte considerável da economia e a imediata demissão de milhões de trabalhadores. A pandemia de más notícias provoca uma verdadeira histeria e mesmo setores que podiam continuar funcionando fecham as portas com o temor de perder tudo o que possuem. Há uma desinformação geral e ninguém sabe com certeza se vai poder pagar as prestações da casa própria e compromissos no final do mês. Por sua vez os credores não têm caixa para pagar os seus financiadores e a crise econômica se alastra rapidamente pelo mundo. É um verdadeiro dominó macabro. Espera-se uma queda significativa no crescimento econômico, representado pelo PIB, e ninguém sabe como e quando começara uma recuperação dos empregos perdidos e um arrefecimento da miséria.

A crise provoca um aumento significativo de mortes. Uns por causa de doenças cardíacas pré-existentes. Outros recorrem ao suicídio. Qual a saída para essa situação? Há um grande debate entre os que defendem a intensificação de programas de ajuda social e os que querem que haja a volta da liberdade de negociar. Não concordam com a intervenção do governo em programas que chamam de assistencialistas e que não colaboram com a retomada do crescimento. Há diversos planos que propõem a reabertura das atividades industriais, comerciais e mesmo agrícolas. Há uma disputa acirrada entre o presidente da república e o congresso nacional. O chefe da nação defende que a recuperação vai se dar rapidamente com a volta da confiança dos agentes econômicos, uma postura fundamentalmente liberal. Já senadores e deputados defendem que o governo invista o que tem e o que não tem para financiar os pequenos empresários e que são os responsáveis pela grande maioria dos empregos ofertados. Os debates são cada vez mais intensos e ríspidos e ganham amplo espaço na mídia. A opinião pública se divide entre os que apoiam o presidente e os que  o responsabilizam pela profunda crise vivida pelo pais. Na prática há uma troca de acusações que só confunde ainda mais a opinião pública nacional.

No meio do pandemônio que toma conta do pais os políticos se movimentam com o olho na eleição presidencial e vários deles surfam na crise. Tentam instrumentalizar a paralisia da economia em benefício próprio e no momento correto usá-la como mote da campanha eleitoral.  Mas afinal de quem é a responsabilidade pela mais profunda crise vivida pelo país desde a sua fundação? Analistas de mercados avaliam que a queda das ações na bolsa não é responsável pela perda de empregos e a paralização da economia. A quebra ocorre em 1929 e o grande desemprego é registrado apenas três anos depois. Fortunas obtidas com ações, de um dia para outro, desaparecem. Papeis caríssimos são vendidos por centavos. O mandato do presidente Herbert Hoover está perdido. Os impactos da onda de quebradeira econômica e financeira começa a bater nas praias dos países parceiros como um tsunami.  Atinge os países periféricos como o Brasil. Este quebra com a queda assustadora na exportação de sua commodity mais importante, o café.

Heródoto Barbeiro é editor chefe e âncora do Jornal da Record News em multiplataforma  - www.herodoto.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.