Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Aprovado em junho deste ano, o novo marco legal do saneamento traz importantes avanços para a universalização dos serviços de abastecimento de água e atendimento de 90% do esgotamento sanitário até 2033. Além de metas claras, o novo documento oferece alternativas para a ausência de capacidade administrativa dos municípios para atender às demandas da população.

Apesar do abastecimento de água potável alcançar 85,5% dos brasileiros, a coleta de esgoto está aquém de oferecer condições mínimas de qualidade de vida para a população. Apenas 53% dos moradores vivem em residências com sistema de coleta de esgoto, mas somente 46% recebe tratamento. Em julho, a pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou que quase 40% dos municípios do país não contam com nenhuma coleta de esgoto.

Os empreendimentos em saneamento têm papel transformador e podem trazer avanços significativos para os brasileiros, principalmente os mais pobres. Um estudo realizado pelo economista Célio Hiratuka, do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp) aponta que um investimento de R$ 1 bilhão em saneamento é capaz de promover um aumento de R$ 1,7 bilhão no valor da produção da economia. O mesmo valor traz impacto direto para os trabalhadores brasileiros, com crescimento de R$ 245 milhões da massa salarial. Entre outros benefícios, os cálculos do economista revelam ainda que o investimento de R$ 1 bilhão pode criar 42 mil novos empregos diretos e indiretos em toda a cadeia produtiva.

A eficácia será um imperativo para as empresas concessionárias e também para aquelas encarregadas dos empreendimentos com o novo marco. Por isso, será fundamental fomentar as melhores práticas para o mercado e a prestação de serviços com qualidade. Para atrair investimentos, ainda precisamos avançar a regulamentação de alguns pontos da nova legislação, aumentando a segurança jurídica dos regramentos do setor. As agências reguladoras terão um papel indispensável para uma agenda normativa de qualidade.

A ANA, por exemplo, agora denominada Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico, passa a ter a competência de estabelecer padrões de qualidade e eficiência na prestação, na manutenção e na operação dos sistemas de saneamento básico, além da missão de regulação tarifária, entre outras.

A nova legislação também inova ao estimular a gestão associada, permitindo que os entes federativos estabeleçam consórcio público ou convênio de cooperação. Isso vai permitir o atendimento das demandas de forma regionalizada, garantindo que municípios menos atraentes financeiramente possam usufruir de serviços com as mesmas qualidades daqueles com melhor retorno.

Após a aprovação do novo marco, o mercado já sinalizou que pretende fazer fortes investimentos no setor. Estamos começando uma nova era no saneamento, que certamente será de prosperidade para todos os brasileiros.

Ricardo Lazzari Mendes, é presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente), engenheiro pela Escola de Engenharia de São Carlos da USP e doutor em engenharia hidráulica e sanitária pela Escola Politécnica da USP.

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.