Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Se correr o bicho pega e se ficar é devorado. São decisões que definem com precisão o problema do coronavírus de origem chinesa (não se sabe ainda, se houve mutação de um vírus que já existia para um envolvimento criminoso que abalou e continua abalando o mundo) alastrando pavor em todo o planeta. O presidente Donald Trump (detentor do cargo mais importante do planeta) está empenhado em cobrar às autoridades daquele país que fez um estrago enorme em toda humanidade.

A decisão de uma parcela – oposição – insaciável da população brasileira que está aproveitando de todas as formas encontrar um meio em desestabilizar a gestão do presidente Bolsonaro que, quando aconselhou o povo a ficar em casa vimos reclamação de toda a ordem inclusive, de alguns oposicionistas que irão morrer de fome por não conseguir o sustento para suas famílias. Decorrido alguns dias em que – pelo menos superficialmente – houve certo controle e conhecimento a respeito do caos instalado, o chefe da nação se utiliza dos veículos de comunicação em rede nacional e aconselha que seja necessário trabalhar, com cuidado é claro, para que a economia não sofra colapso e volte apresentar resultados satisfatórios e não tenha problema de continuidade nos setores fundamentais, se bem que o estrago não foi pequeno. O presidente pediu a reabertura de tudo que foi fechado e o fim do “confinamento”.

O povo experimentou um regime de guerra com paralisação de escolas, igrejas, comércio, indústria e os mais diversos segmentos, como escritórios de advocacia, contabilidade, comercial e tudo que envolve o setor produtivo, na realidade evitar um maior número de pessoas no mesmo local para não alastrar o vírus. Num momento em que temos de nos unir visando o menor sofrimento possível, para não haver um maior comprometimento, a esquerda brasileira, quase sempre irresponsável tem demonstrado as seguintes ações: Quanto pior, melhor e podemos até citar o Paulinho da Força que declarou em alto em bom som, por ocasião da Reforma da Previdência: “Se não empurrarmos a merda desse país pro abismo o Bolsonaro será reeleito”. Não sabemos se é boato ou não –, mas, a história do parlamentar é bastante comprometedora.

Ocorre que o supremo mandatário brasileiro precisa tomar decisão e não pode ficar sem um posicionamento, pois precisamos entender de que o remédio muitas vezes é amargo, como paralisação, bloqueios e confinamentos, que sejam desprovidos de racionalidade e até razoabilidade poderá levar o paciente à morte e isso ninguém deseja. No pronunciamento do supremo mandatário do país, ele destaca: “O vírus chegou. Está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos sim, voltar à normalidade”. Essas considerações devem ser analisadas com isenção de ânimo para que possamos encontrar um fim providencial na solução do problema desse tormento chinês. Não podemos conviver com um holocausto financeiro. É muito sério isso.

Edilson Elias - é jornalista, escritor, membro da Academia de Letras, Ciências e Artes de Londrina e diretor presidente do jornal FATOS DO PARANÁ®  edilsonelias@yahoo.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.