Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

- Não pode engolir o chiclete porque gruda as tripas!

Foi essa cruel declaração de minha mãe que me fez viver perigosamente minha época de criança. Cruel porque adorava mascar chiclete, ficava horas mastigando aquela borracha até o gosto sumir totalmente. E usava de minhas habilidades de sopro para fazer enormes bolas. Meus amigos ficavam embasbacados pelas gigantescas bolas que só eu conseguia moldar; e depois os mesmos amigos ficavam me zoando pela máscara de chiclete que grudava em meu rosto e cabelo quando a bola estourava.

Porém, ao descobrir o perigo mortal em mascar chiclete, evitava fazer bolas gigantes com medo de engolir a goma acidentalmente.

Mas como não deixar de mascar?

No começo de 1986 surgiram os chicletes de maçã verde, uma novidade na cidade. Além do sabor diferente, o chiclete de maçã verde era o único que possuía figurinhas da Seleção Brasileira. Era ano de Copa do Mundo e a molecada ficava louca para comprar chiclete e colecionar as figurinhas, existia o álbum que cada menino estimava como o maior tesouro de sua vida.

 “Sou par. Sou ímpar. Um, dois, três e já...”

Essas palavras de disputa eram as mais ouvidas na escola, seja antes da entrada, no recreio ou na saída da aula, todos os meninos batiam figurinhas. Haviam táticas e técnicas na hora do bafo: tinha moleque que passava cuspe na mão, outros eram ligeiros nos dedos e alguns tinham mãos grandes que facilitava para virar as figurinhas.

Uma vez eu estava tão empolgado ganhando de todo mundo que sem querer coloquei minha vida em risco quando engoli um chiclete.

Corri para casa e contei para minha mãe sobre a tragédia. Fiquei desesperado pois iria morrer com as tripas grudadas! Naquela noite senti dores de barriga com cólicas que incomodavam muito. No outro dia as dores não paravam e minha mãe me levou ao médico.

- Doutor! Eu engoli um chiclete e agora vai grudar minhas tripas! Não quero morrer doutor!

O médico me examinou, apertou minha barriga e prescreveu um remédio entregando à minha mãe.

- Minhas tripas já estão grudando doutor! – Perguntei desesperado.

- Suas tripas não estão grudando ainda, mas é preciso maneirar nos chicletes porque pode estragar seus dentes também.

- E esse remédio é para não grudar as tripas?

- Esse remédio é para prisão de ventre. Você só está precisando soltar uns puns. 

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores.  rodrigojacutinga@hotmail.com

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.