Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As eleições de 2022 já estão nas ruas. Além da desairosa politização da Covid-19, que não chegou a proporcionar benefícios a boa parte dos seus praticantes, principalmente porque a pandemia se faz presente e ninguém ainda pode colher o louros de tê-la vencido, observa-se a ocorrência da reacomodação partidária. O governador Flávio Dino, do Maranhão, trocou o nanico PC do B – onde militou por 15 anos - pelo mais viável PSB e mira na candidatura ao Senado. O polêmico deputado Marcelo Freixo saiu do Psol e também busca no PSB o espaço para concorrer ao governo do Rio de Janeiro. Em São Paulo, Geraldo Alckmin – que já governou o Estado por  13 anos - na conclusão do mandato do falecido Mário Covas, de quem foi vice-governador, e depois em três mandatos próprios – se prepara para deixar o PSDB, onde em 2018 concorreu à presidência da República – para filiar-se ao DEM ou ao PSD e candidatar-se a um quarto mandato de governador. Possivelmente tenha de enfrentar o governador João Dória, seu algoz ente os tucanos, que pelas recentes decisões partidárias, dificilmente terá a vaga tucana de candidato à presidência da República e sua opção será a tentativa de reeleição.

Os bastidores políticos enfrentam atividade febril em busca de definições. Alguns governadores, como o gaúcho Eduardo Leite, lançam balões de ensaio para a indicação de candidatura à presidência e aquela parcela de políticos que não se alinham com a direita de Jair Bolsonaro e nem com a esquerda de Lula – insistentemente indicado como candidato apesar da fragilidade de sua situação – tenta construir a terceira via. Uma tarefa difícil na exata medida da polarização política que vivemos desde a época em que o governo de Dilma Rousseff sofreu o impeachment e o Partido dos Trabalhadores foi atingido pelas denúncias de corrupção que – é bom lembrar – envolvem políticos de muitos dos 30 e poucos partidos com registro no quadro político-eleitoral nacional.

O incômodo clima de disputa eleitoral permanente – com direito até às manifestações de rua, motoceatas, carreatas, cavalgadas e outras – pró e contra o presidente Jair Bolsonaro, o fazem cada dia mais candidato à reeleição. De outro lado, Lula é o trunfo do PT que, se conservar sua elegibilidade, jogará aquela que poderá ser a sua ultima cartada política, cujo resultado, ninguém minimamente isento pode, hoje em dia, prever. A única certeza é que já vivenciamos um momento de acomodação político-eleitoral e quem não estiver articulando sua posição desde já corre o risco de ficar sem espaço nas eleições do próximo ano.

O que não se verifica nesse momento é o entusiasmo do eleitorado. Evidente que existe aquele mínimo de simpatizantes – talvez 30% para um lado e outros 30% para o outro, e os outros 40% do centro fragmentados ou indefinidos. Um complicador é que não se vê ninguém combatendo a apatia que levou aos altos números de abstenção, brancos e nulos das ultimas eleições. Há, ainda, a questão do voto obrigatoriamente impresso, que poderá se transformar em lei mesmo contra a vontade da Justiça Eleitoral, mas sugerida e trabalhada pelo presidente da República.

Ainda falta um ano e quatro meses para as eleições – de presidente da República, governador, senador e deputado (federal e estadual). Mas, quem não estiver atento desde já correrá o risco de ser eliminado do processo...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.