Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

E o rei tupiniquim Luís XIV, Jair Bolsonaro, aquele que se considera a própria Constituição,  agora de fato começou a governar ao seu estilo despótico -  que nem nos governos do PT coisa semelhante existia.

Pergunta-se aos bolsonaristas radicais obscurantistas e mais parvajolas que os petralhas:  qual a explicação razoável das atitudes quixotescas  do capitão Bolsonaro? Citem uma justificativa sequer, senão de caráter pessoal e familiar de Bolsonaro, para ele insistir na mudança do diretor-geral da Polícia Federal?

Ora, Sérgio Mora não foi para o governo para ser fantoche do presidente da República nem atuar de acordo com os interesses não republicanos do governo.

Pois bem, hoje assistimos à máscara cair daquele que tinha como bandeira de campanha combater a corrupção e a moralidade pública e por isso foi buscar o ex-juiz Sérgio Mora para desempenhar tal função, dando-lhe carta-branca para atuar e indicar os seus assessores. Carta esta que agora o presidente rasga  melancolicamente diante do país. Ou seja, falta ao presidente da República credibilidade nas palavras empenhadas.

Vale aqui evocar o escrito por um anônimo:  “A palavra reflete a atitude de cada pessoa. Se cumprida em sua totalidade há que se creditar na seriedade pessoal. Se descumprida tem nela embutida a mentira e por consequência a falta de credibilidade”.

Mas agora se sabe que Bolsonaro trazia recôndito o  seu repertório maquiavélico e pérfido pronto para aplicar quando fosse necessário. E assim não teve escrúpulo de apunhalar a principal pilastra do governo, Sérgio Moro,  que representava o símbolo  da moralidade. Mas Sérgio Mora não sabia que estava sendo enganado e caiu numa verdadeira cilada.

O país agradece a Sérgio Moro que soube se comportar de forma hercúlea ao não ceder e compartilhar com as atitudes  não republicanas do presidente da República em interferir de maneira escusa nos trabalhos internos do ministério da Justiça  de da Polícia Federal.

O pedido de demissão de Sérgio Moro faz ruir uma das grandes pilastras de sustentação do governo e desmascara a seriedade  do governo federal em combater os ilícitos, por exemplo, de agentes políticos, como no caso da “rachadinha” na Alerj, envolvendo o seu filho Flávio Bolsonaro,  até agora em processo recursal.

Cabe enfatizar que  o conteúdo da carta de demissão de Sérgio Moro compromete muito a lisura do governo e requer a atenção especial  do Legislativo e Judiciário. 

Júlio César Cardoso - Servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC  - juliocmcardoso@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.