Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Cumprimentos à Dra. Eliana Márcia Magri, do Hospital das Clínicas e do Sírio Libanês, cuja pesquisa terapêutica sobre o covid-19 foi merecedora de publicação na Revista “Science”, a mais crível publicação médica do mundo.

Experiências levaram-na a crer que a causa de maior gravidade entre as consequências do Covid-19 não é o comprometimento dos pulmões (efeito-causa). É a trombose sanguínea generalizada, que gera como determinante imediato do óbito a impossibilidade de respiração. Para combatê-la, no caminho da desobstrução, adota-se um protocolo de HEPARINA, potente anticoagulante, no caso desta pandemia em pacientes hospitalizados e devidamente monitorados.

A heparina é um importante recurso para promover o impulso respiratório com baixo nível de oxigenação, ante uma sútil coagulação nos vasos mais finos da rede sanguínea que se encontra na extremidade dos alvéolos, o que impossibilita a oxigenação apropriada.

Recompõe-se a taxa de oxigênio, que é de 95% e costuma cair para 70%, 60% ou até mesmo 50% em doença causada pelo coronovavírus, obliterando paulatinamente a respiração, causa-tronco dos óbitos, com suas emanações. Esclarece a pesquisadora que o problema não tem como causa eficiente e originária os pulmões, mas a coagulação do sangue.

Entre 27 pacientes 24 se recuperaram, prova da solidez da base empírica da investigação científica. Não podemos deixar de acrescentar: uma filha portadora de síndrome de down, com 36 anos e a circulação quase que completamente comprometida, em estado de trombose profunda,  foi plenamente recuperada depois de um longo período de internação, sob os cuidados de um grande médico – professor doutor Ary de Andrade Júnior – para quem cada dia era uma vitória, sob o protocolo de heparina; e este modesto escriba também não mais estaria com os dedos sobre o computador, depois de uma dissecção de carótida na iminência de provocar um AVC fulminante, fato superado, também, por idêntico protocolo.

Não se iludam com a narrativa como uma experiência salvadora, deixando de seguir as recomendações do Organização Mundial de Saúde e da combativa comunidade médica mundial, pois o fenômeno é de intrincada complexidade, não se dispensando o isolamento social e os cuidados pessoais rigorosos.

Amadeu Garrido de Paula, poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros: “Universo Invisível” e “Poesia & Prosa sob a Tempestade”. Ambos à venda na Livraria Cultura.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.