Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A redução de 25,9% no número de cirurgias eletivas – aquelas onde o paciente não corre o risco de morte iminente – entre o primeiro semestre de 2019 e igual período de 2021, é o grande efeito colateral da Covid-19 no sistema de saúde brasileiro. Enquanto há dois anos realizaram-se 4.186.892 procedimentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde), esse ano foram só 3.099.006. Os números são do Conselho Federal de Medicina e preocupam porque o normal seria aumentar e não reduzir mais de um milhão de operações. Os especialistas preocupam-se porque enquanto algumas anormalidades – hérnias, varizes e correções estéticas - podem aguardar sem grandes problemas, outras não. É o caso do câncer, problemas cardiovasculares e outros cujo retardo na solução agrava o quadro e leva a óbito.

Felizmente, a Covid-19 dá sinais de solução, quando temos boa parte da população vacinada e suprimentos para avançar rapidamente com o programa de imunização. A diminuição do número de óbitos e de infectados e, consequentemente, a baixa na ocupação dos hospitais e suas UTIs (Unidades de Tratamento Intensivo) são quadros positivos que não autorizam a população a relaxar, mas representam um certo alívio. Nas últimas 24 horas – fechadas em na noite de domingo - registraram-se 292 mortes. Isso ainda é muito diante do desejável, mas apenas uma pequena parcela das 4 mil ocorridas nos dias de ponta da pandemia.

Com a baixa na ocupação dos hospitais e principalmente das UTIs foi possível o abrandamento das medidas de restrição à movimentação da população e ao trabalho. Os administradores hospitalares já voltam a destinar seus equipamentos para o atendimento geral, reservando apenas uma parte para a Covid. Os médicos, que haviam deixado de atender os pacientes regulares por falta de estrutura, voltam a marcar cirurgias e as autoridades da área projetam a realização de mutirões de atendimento que possam absorvem a demanda reprimida e evitar que o mal dos pacientes se agrave ainda mais.

A vacinação – que hoje já cobriu 138 milhões de brasileiros – segue normal. Por ora é importante que as pessoas continuem mantendo os cuidados de não infecção. Também se faz necessário combater a fuga da segunda dose, já registrada em grande número de pessoas que não voltaram o posto de saúde na data marcada. É importante que elas compareçam para completar o programa e, também, dentro de alguns meses, receber a terceira dose das diferentes vacinas que já começam a ser ofertadas.

É preciso compreender que a Covid-19 é uma nova forma do velho coronavírus, desta vez mais agressivo e com cepas diferentes que podem se juntar e se tornar mais fortes. A ciência ainda não conhece muitas nuances da pandemia e, como não tem tempo para só pesquisar, é obrigada a aplicar as vacinas e outros medicamentos e esperar pelos resultados. Não é coragem e nem vantagem a ninguém invocar princípios e direitos e não buscar a vacina, pois é ela que pode afugentar o mal epidêmico.

Da mesma forma que as autoridades governamentais e sanitárias têm o dever de disponibilizar a vacina à população, o povo também tem a obrigação de recebê-la porque, pelo contrário, além de ficar exposto ao problema, o indivíduo não vacinado é um agente multiplicador e perenizador da moléstia. Isso caracteriza absoluto egoísmo, falta de civilidade e, sem dúvida, falta de amor à própria vida...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.