Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Lê-se que, depois da chuva torrencial, aquela humanidade dos subúrbios deixa as casas. Aos primeiros raios do sol que retornam,  passeia-se alegremente. Os portões ficam abertos, balouçados sob os ventos restantes. Uma alegria angelical toma conta dos corações. Lembram-se das tempestades, sem mágoa. Elas não são injustiça.

O corpo se transforma em ferro retorcido. Da cabeça aos pés. Não há psicanálise que recomponha o ser profundamente injustiçado. Seu sentido é de ignomínia, repulsa, revolta, repto a Deus e às divindades que permitiram tanta sordidez. Imagine-se o homem amaldiçoado pela ingratidão, decorrida uma vida. Não mais brilham, nem o sol nem as estrelas, não se agitam as árvores, não se expõem as flores. Tudo é retorno a uma caverna ameaçada por ratos e morcegos, onde nosso homem deve dormir.

A justiça parece inalcançável, nunca foi exaurientemente definida, apesar dos esforços de Aristóteles nas cartas ao filho Nicômano. O que fazemos, advogados obcecados, é garimpar até as profundezas, onde imaginamos um diamante a que denominaram "o justo". Não prometemos resultado. Entre os juízes e promotores, há os certos de que receberam missão divina. Pensam, repensam, escrevem, reescrevem, fluem e refluem no mar das ideias. Outros  não se incomodam se sob as capas dos processos mora um ser.  Preferem crer em objetos, para ir para casa com a leveza de um órgão a menos a transportar, muitas vezes pesado, conhecido como consciência.

A solenidade da justiça, retratada por prédios suntuosos, pinturas admiráveis, cúpulas irresistíveis aos sentimentos estéticos, só atemoriza. Na medicina há a síndrome do avental branco. Na Justiça, a da toga preta. Os aqui chamados "réus", em Portugal "arguidos", são medicantes daquela brisa que veio com o sol.

Hugo fala do homem absolvido que deixou o palácio e não parava de correr do solene. Pouco lhe dizia que o juiz lhe dissera que não tivera culpa, não conquistava a resiliência.

Quando o homem injustiçado consegue a volta a seu merecimento, o entulho de ferros, pouco a pouco, amolece, até que ele se sente, novamente, no seio da humanidade. Os portões das casas simples, mas acolhedoras, das periferias, continuam abertos, para acolher seu dono, a tanto tempo levado por funcionários do poder.

Amadeu Garrido de Paula, é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados (Bruna Lyra Raicoski)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.