Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Vivemos momentos difíceis na vida nacional. De um lado o governo de Jair Bolsonaro rejeitando as práticas e vícios consagrados na nossa trintenária democracia pós-64, como o é dando que se recebe, estandarte dos primórdios do “Centrão”, durante a Constituinte. O presidente, de pavio curto, bate de frente com os que o contrariam, e agita o ambiente, recebendo aplausos dos seguidores fiéis e pedradas dos adversários. O momento é de turras que não observam a realidade, nem a razoabilidade. Todos querem ganhar a briga, não importa de que forma e com que argumentos. A nós, cidadãos, que gostaríamos de simplesmente poder acreditar nos governantes, nos políticos e, igualmente, nos meios de comunicação – boa parte deles apontados contra o presidente – resta o incômodo de ter de viver julgando as atitudes de uns e outros, embora essa não seja a nossa vontade e nem vocação.

Incomoda-nos ser bombardeados diariamente com informes ideologicamente elaborados de que o governo – seja ele federal, estadual ou municipal – age inconveniente ou até criminosamente. Também é desagradável a premissa de que os veículos de comunicação são cooptados por ideologias e têm seu pessoal a serviço desse ou daquele grupo político ou de pressão e agiriam a soldo destes. Seria mais confortável se os governantes pudessem desenvolver suas atividades sem patrulhamento, mas respondendo por seus atos a quem de direito. E que a imprensa não fosse colocada na vala comum dos achacadores que se locupletam dos amigos que exercem o poder e perseguem os adversários que não lhes dão rendimento fácil e até indevido. Da mesma forma, gostaríamos que os parlamentares – hoje em grande número com o nome jogado na lama – fossem cidadãos de reputação reconhecidamente ilibada e acima de qualquer suspeita. Seria mais fácil a toda a sociedade.

Incorrigíveis otimistas, queremos que caia por terra o discurso desconstrutivo que virou moda no país e coloca na linha de suspeição governantes, parlamentares, membros de Judiciário e outras lideranças púbicas e privadas. Que as instituições sejam capazes de dirimir as pendências e, no devido tempo, clarificar as verdades, punindo os que restarem provados como faltosos e reabilitando os que tenham sido injustamente atacados, ensejando-lhes o direito à retorsão. Não se consegue construir a prosperidade de uma Nação sobre mentiras e mistificações. Portanto, é fundamental perseguir e desnudar a verdade, por mais crítica ou inconveniente que seja. Nada, sobre ninguém, deve ser varrido para baixo do tapete.

A última impropriedade denunciada é a compra da vacina indiana Covaxin, que o governo brasileiro teria pago 1000% a mais do que o preço de mercado – segundo o deputado Luiz Miranda (DEM-DF). O governo desmente e diz ter acionado a Polícia Federal para apurar. Fontes da Policia Federal dizem que o acionamento não ocorreu. Há que se apurar e colocar tudo em pratos limpos. Pouco importa a nós – cidadãos – quem deva ser punido, desde que a verdade prevaleça e quem com ela faltou seja chamado à responsabilidade.

Estamos fartos das narrativas que apontam como canalhas as lideranças políticas, veículos de comunicação e cidadãos que, bem ou mal, têm nome público e serviços prestados à coletividade. O nosso sincero desejo é que todos tenham a explicação plausível até para suas atitudes extremadas e que sejam elas moduladas, as irregularidades cessadas e – quando houver crime tipificado - ocorra a punição conforme determinam as leis. Só dessa forma é que conseguiremos voltar a viver em paz e ter as condições básicas para trabalhar, produzir e alçar o país ao desenvolvimento que, ocorrendo, será a garantia de melhores dias para nós mesmos e para as futuras gerações, compostas por nossos filhos, netos, bisnetos e demais descendentes.

Chega de contenda onde os participantes obedecem cegamente a velhas teorias ideológicas e são dotados da raiva figadal que não os deixa ver virtudes naqueles que não têm pensamentos iguais aos seus, mas podem ser bons parceiros para fazer a sociedade evoluir e proporcionar vida melhor a todos nós. Nesse quadro adverso, não é demasiado rogar aos céus: Deus, salve o Brasil...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.