Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nada mais árido e enganador do que o debate polarizado entre direita e esquerda. Isso porque os seus adeptos – tanto de um lado quanto do outro – subestimam a inteligência do povo e tentam colocar na cabeça das pessoas as utopias que um dia seus preceptores políticos lhes passaram como verdades líquidas e certas. Tanto o direitista quanto o esquerdista defende o Estado paternalista que dê tudo ao cidadão e diz ao cidadão que ele tem direitos e precisa lutar por eles. Mas – por ignorância ou má fé – não falam que todos têm o dever de trabalhar para que a produção resulte na economia e esta custeie o bem-estar.

Decorrentes da época da Revolução Francesa – em que os partidários do rei sentavam no lado direito e os oposicionistas à esquerda da mesa que dirigia os trabalhos da Assembleia Nacional, ficou convencionado para o mundo da política que a direita é imobilista e não se interessa por mudanças e a esquerda é progressista e luta para tudo se alterar. Mas a prática tem demonstrado que não é uma coisa nem outra. Principalmente no Brasil, ambas são meras armas de luta pelo poder, sendo que uma se alinha ideologicamente ao mundo capitalista e outra ao socialista. Mas nenhuma coloca a mão na massa para resolver os problemas concretos da sociedade. Pelo contrário, evitam r eformas do Estado para manter privilégios de seus aliados fornecedores de votos, e não se interessam pela redução das desigualdades. Tudo isso é usado apenas como proselitismo eleitoral e tentativa de arrebatar votos.

Estamos agora entrando para mais um ano eleitoral – elegeremos em 2022 presidente da República, governadores estaduais, senadores e deputados federais e estaduais – e o que temos colocado publicamente nada mais é do que a enfadonha luta ideológica e a troca de ataques mal-educados entre os oponentes. E o mais interessante: direita e esquerda lutam para atrair as forças ditas de “centro” para com elas conseguir formar maioria de votos e ganhar as eleições. Não é àtoa que cada dia que passa o povo fica mais descrente da classe política, o que pode ser aferido pelos crescentes índices de não comparecimento do eleitor de uma eleição para a outra.

Começou tudo errado esse ano. A campanha se antecipou e a luta sem argumentos acontece. Os potenciais candidatos – tanto a presidente quanto a governadores – priorizam falar mal do adversário e autoelogiarem-se em vez de abordar os problemas que pretendem enfrentar se eleitos. Para ser sério, o candidato deve nominar os problemas, dizer como vai resolvê-los e, também, onde obterá os recursos para tanto. Do jeito que hoje é feito, a classe perde credibilidade e torna as eleições mais frágeis e menos representativas. O resultado disso só poderá ser governos sem compromissos e tendentes a não resolver as questões do povo. Mesmo podendo sondar suas bases para decidir como pa rticipar das eleições, os pretendentes deveriam ser mais cuidadosos. Lembrar que o calendário eleitoral fixa o dia 5 de julho para o começo da propaganda eleitoral. Tudo o que se fizer antes poderá ser considerado ilegal e trazer problemas.

As lideranças políticas brasileiras precisam se movimentar para passar do discurso à prática. Todos têm de tratar, com a devida seriedade, os problemas que afligem a Nação. Chega de guerra ideológica e de outros procedimentos que escandalizam a sociedade. O povo brasileiro – que todos invocam mas poucos conhecem de fato – quer soluções para os problemas sociais e econômicos que impedem sua vida melhor. Além dos governantes, os parlamentares – senadores e deputados – precisam se apressar na proposição de medidas que tornem o país mais justo e humano. Se não o fizerem, correrão o risco de logo serem descartados. Pensem nisso e evitem a bestial polarização. Coloquem no lugar da contenda a ação pelas reformas, sem as quais o pais continuará patinando. Não subestimem o povo que, com as oportunidades de informação e cultura hoje disponíveis não tardará a decretar o esquecimento e o fim da carreira daqueles que não atendem suas expectativas. Jornais, Tvs, redes sociais e aplicativos estão aí, à disposição de todos. É bom não brincar...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.