Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nunca apoiei político ou escolhi candidato em quem votar por ser de centro, de direita ou de esquerda. O  rótulo, oriundo da época da Revolução Francesa (1789) não tem a menor contemporaneidade com a política de hoje, especialmente a brasileira. Difícil crer que onde há 35 partidos oficialmente reconhecidos e autorizados a funcionar e outros 70 à espera de registro,  seja possível agregar as correntes dentro das três tendências básicas, das híbridas, como centro-esquerda e centro-direita, e até de outras possíveis composições de ocasião. Prefiro fazer a escola com base nas propostas e na confiabilidade transmitida pelos proponentes. Mas, com cem tendências soltas na praça, fica muito difícil e a maioria delas não decola. Chega-se a pensar que muitos indivíduos só montam ou aderem a partidos políticos com olhos grandes sobre as polpudas verbas públicas distribuídas às agremiações pelos fundos partidário e eleitoral.

Faltando 11 meses para as eleições - de presidente, governador, senador e deputado – avista-se o presidente Jair Bolsonaro, na direita, movimentando-se para manter a hegemonia conquistada em 2018, que o elegeu; e o que restou do Partido dos Trabalhadores após o impeachment de Dilma Rousseff, tentando se viabilizar sob o rótulo de esquerda. Quem olhar cuidadosamente na direção das duas correntes, verificará que não se alinham às tendências que encarnam, de direita conservadora e nem de esquerda social e popular. Mas, também, a festejada democracia brasileira, sofre de indefinições e esquisitices que a levam a sofrer solavancos como os mais recentes de censura às redes sociais e comportamentos radocaos de indivíduos e setores cuja obrigação institucional é dar aporte ao sistema democrático.

Os que não conseguiram se alinhar com Bolsonaro e nem tiveram a coragem de se juntar ao PT e seus satélites, falam na construção de uma suposta "terceira via", que seria um candidato de centro ou, pelo menos, não de direita nem de esquerda. O difícil é sacar do universo político-partidário alguém com essas caracteristicas e, ainda, portador do carisma e de estrutura para disputar com possibilidades de êxito a briga com as extremas polarizadas. Sérgio Moro foi citado, nos últimos dias, como sendo essa figura. Mas não há a definição segura se para presidente da República, governador, senador ou deputado (federal ou estadual).

Essa opção talvez fosse mais acessível se, em vez de deixar a magistratura para se tornar ministro da Justiça, tivesse ele continuado à frente da sua 2a. Vara Federal  de Curitiba, cuidando da Operação Lava Jato, à qual durante sua atuação, conferiu dignidade e com ela ajudou a reescrever a história do combate à corrupção no Brasil. Tivesse lá permanecido, dificilmente os adversários da operação - muitos deles por puro temor sobre o próprio destino - esvaziariam a "mãos limpas" brasileira e nem os defensores do réu Lula emplacariam tese de sua (para mim improvável) suspeição nos processos em que julgou o ex-presidente.

Sem a proteção natural da toga e jejuno na convivência do dia-a-dia da política e do governo, o ex-juiz acreditou, por exemplo, que o ministério da Justiça lhe seria entregue "de porteira fechada" e ali poderia agir absoluto. Ao constatar que não era bem assim, optou por sair atirando. Disse - mas não conseguiu provar - que Boldonaro interferia na Policia Federal. Só porque, independente do que tenha tratado por ocasiao da posse, o presidente insistia em nomear o novo diretor da instituição, atribuição que, pelo sabido, é prerrogativa sua. Mas as derrapadas na política não chegam a comprometer  a carreira de julgador e nem diminuem a contribuição que deu ao país. Depois de suas sentenças contra ex-governantes, parlamentares, líderes políticos, megaempresários e corruptos incrustados no poder, a maioria delas confirmadas e até agravadas em segunda, e terceira instâncias e até no STF, ficou mais difícil a prática da corrupção e do assalto aos cofres públicos nacionais.   

Moro e Deltan Dalagnol, ex-coordenador força-tarefa da Lava Jato - que também se movimenta no sentido de  trocar o Ministério Público pela política, precisam avaliar criteriosamente as suas possibilidades. Não dar ouvidos a quem não conhecem de fato e nem o passo maior que a perna, para evitar que, em vez da vitória, o prestigio de que desfrutam sirva apenas de calço e alavanca para eleger ou reeleger outros integrantes da cena politica que, por conta da polarização direita-esquerda, ficaram sem espaço e hoje precisam estar à sombra de quem, mesmo não tendo a certeza da eleição para os postos de alta relevância, possa puxar votos e ajudar na formação das bancadas de senador e de deputado federal e até estadual. O meio é frio, interesseiro, aproveitador e perverso. Quanto um político, por mais sério que pareça, incentiva alguém a altas empreitadas, constumeiramente não está preocupado com o futuro do incentivado, mas fazendo as contas de como isso pode contribuir na própria eleição, ou reeleição. Isso é clássico...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.